Menu

Zeos Travelling Agência de Viagens

TwitterFacebookPinterestGoogle+

fred oliveiraFred Oliveira é administrador de empresas onde atua nos ramos da comunicação, turismo e imóveis. Em sua tragetória de vida aprendeu que nada dura para sempre e que não se pode perder a oportunidade de mudar sempre. Aqui você vai ler sobre política, comportamento e turismo. Ele também escreve para os blogs Toda Crônica, Tô de Folga e Sempre Viajar.

tragedia bento rodrigues mariana 02 Um ditado (piada na verdade) popular diz que Deus ao criar o mundo colocou um pouco do que Ele tinha de melhor e de pior em cada região do mundo. Os americanos seriam os mais inteligentes e ricos, mas ao mesmo tempo sofreriam com catástrofes climáticas como tornados e furacões. Os europeus teriam toda a riqueza cultural e os grandes mestres em diversas áreas, mas sofreriam com as guerras e suas mazelas. E o Brasil teria as mais belas praias, a maior floresta, a maior bacia hidrográfica, mas em contrapartida um povinho...

Deixando de lado a brincadeira não podemos negar que esse ditado tem um fundo de verdade e quanto mais vivencio certas situações mais me vejo tendencioso a acreditar que o fim está cada dia mais distante. Infelizmente.

Não vou falar de Lula, Dilma e da corja PTista que já citei no post Eu votei no PT e fui trapaceado, não vou falar do cinismo descarado que o Presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha vem debochando em rede nacional da inteligência de todos nós. Vou falar de uma regra institucionalizada no Brasil que é a famosa LEI DE GERSON e que muito me envergonha.

O que ocorreu essa semana em Mariana não é um fato isolado ou uma fatalidade, é sim um ato criminoso de pessoas que querem levar vantagem em tudo. Pode até ser que nos próximos dias viemos descobrir que a verdadeira causa da tragédia tenha sido realmente um abalo sísmico (já há geólogos dizendo isso). Mas não poderíamos prevê-lo? Em uma rápida pesquisa pelo Google usando as palavras: barragem rompe 2014 (clique aqui para ver o resultado) encontrei três casos semelhantes, um em Arvoredo (SC), outro em Jari (AP) e o terceiro em Várzea Alegre no Ceará. Então, o que foi feito com as demais barragens no Brasil desde então? O que aprendemos com esses acidentes? NADA!

publicidade

No caso de Mariana nem uma sirene tocou, nem a Defesa Civil e muito menos a Polícia foram informadas do rompimento, e a população da pequena Bento Rodrigues ficou a mercê da sorte e de poucos telefonemas avisando que a tragédia se aproximava.

Vendo as fotos, vídeos e o relato de alguns moradores como o que publicamos aqui no DiviCity.com -Em Mariana, menina de 5 anos foi arrancada do colo do pai pela lama- me pergunto: Onde estavam as pessoas que poderiam ter salvado esse povo? Algumas dessas pessoas, como os engenheiros, gerentes e diretores da Samarco Mineradora, deviam estar em suas belas residências gozando das benesses que seus polpudos salários lhes concedem. E os funcionários públicos que deveriam fiscalizar a mineradora e verificar se as condicionantes de licenciamento da Samarco foram cumpridas? Esses também deveriam estar em suas casas gozando das benesses que a Lei de Gerson lhes proporcionou, ou seja, da bolada que receberam para fazer vista grossa aos problemas que a mineradora possivelmente já tinha. Leia o que escreveu o jornal O Expresso: https://jornaloexpresso.wordpress.com/2015/11/07/a-lista-dos-corruptos-de-furnas-e-o-papel-da-samarco-antes-do-desastre-ambiental/

publicidade

Não! Não estou prejulgando ou fazendo falsa calúnia contra ninguém. Esta constatação baseia-se no que nós brasileiros nos tornamos, um 'povinho' medíocre e corruptível. Por qualquer maço de dinheiro, estamos vendendo a ética, os valores morais e o nosso caráter, e isso é normal, afinal até o Presidente da Câmara dos Deputados e a alta cúpula do Governo Federal o fez.

Onde vamos parar? Quantas barragens ou tragédias mais teremos de suportar? Será que precisaremos acreditar que somente as gerações futuras serão capazes de consertar o estrago que a geração atual causou, ou nós mesmos faremos valer? Como bem disse o escritor e advogado Adelmar Marques Marinho: "A advocacia, na sua qualidade máxima de sacerdócio, não pode inclinar-se para a mercancia, sob pena de perder a sua verdadeira essência; o advogado deve contentar-se com o seu ganha-pão diário... Hoje pesca um peixinho, amanhã um peixão; mas tudo dentro da honestidade e sem parcialidades."

Que tal aplicarmos isso em todas as outras profissões e na vida?

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS