Menu
O casal que ganha uma fortuna para viajar pelo mundo - e matar as pessoas de inveja

O casal que ganha uma fortuna para …

Collette e Scott Stohler têm uma c...

Criminosos explodem agência bancária e atiram contra policial em Oliveira

Criminosos explodem agência bancári…

Criminosos explodiram uma agência ...

Prefeito de Divinópolis explica revisão da planta de valores no São José

Prefeito de Divinópolis explica rev…

O Prefeito de Divinópolis, Gali...

Manifestantes protestam contra reforma previdenciária em Divinópolis

Manifestantes protestam contra refo…

Manifestantes se reuniram na tarde desta...

É possível viajar com orçamento baixo? Brasileiros acreditam que sim

É possível viajar com orçamento bai…

De acordo com levantamento mundial reali...

Governo oferece cursos grátis de Excel, inglês e espanhol

Governo oferece cursos grátis de Ex…

A Escola do Trabalhador é uma pla...

Qual conceito de lar para quem tem a casa na mochila?

Qual conceito de lar para quem tem …

Viver viajando. Rodar o mundo e trabalha...

Lei obriga Prefeitura de Divinópolis a divulgar destinação de recursos recebidos através de emendas parlamentares

Lei obriga Prefeitura de Divinópoli…

Os vereadores de Divinópolis apro...

Empreendedores ganham espaço com atendimento personalizado em Divinópolis

Empreendedores ganham espaço com at…

A correria do dia a dia faz com que mu...

Condutor atinge motociclista e foge em Divinópolis

Condutor atinge motociclista e foge…

Uma motociclista, que não teve a ...

Prev Next
TwitterFacebookPinterestGoogle+

Banner Zeos Travelling

Ministra Carmem LuciaA presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou nesta sábado que o brasileiro não dormiria, se conhecesse tudo o que ela sabe. A declaração foi dada pela ministra ao comentar a situação dos presídios brasileiros, segundo ela, totalmente dominados organizações criminosas.

— Hoje temos as questões gravíssimas de organizações criminosas dominando em todos os estados do Brasil. Por isso eu digo que não é cômodo nem confortável nenhuma poltrona na qual eu me assente, por uma singela circunstância: eu sou uma das pessoas que mais tendo informações não tenho a menor capacidade de ter sono no Brasil — disse a ministra, durante participação no Festival Piauí Globonews de Jornalismo, realizado em São Paulo:

— Se o brasileiro soubesse tudo o que sei, tendo visitado 15 penitenciárias masculinas e femininas, seria muito dífícil dormir — completou.

Cármen Lúcia ainda rebateu os críticos e os desafiou a assumir o seu lugar e fazer o que faz. Para ilustrar o momento atual do Brasil, a ministra citou um trecho do poema “Nosso Tempo”, do mineiro Carlos Drummond de Andrade: “Os homens pedem carne. Fogo. Sapatos/ As leis não bastam/ Os lírios não nascem da lei/ Meu nome é tumulto, e escreve-se na pedra.”

— Vivemos tempos de muito tumulto. Para mim, infelizmente, eu estou na presidência do Supremo e o Brasil quer uma solução para um mundo de tumulto — disse Cármen, negando que se tratasse de um "relclamação."

DELAÇÃO COMO 'INSTRUMENTO NECESSÁRIO'

Na conversa com a jornalista Consuelo Dieguez e diante de uma plateia, a presidente do STF evitou se aprofundar em temas polêmicos. Sobre a deleção dos irmãos Joesley e Wesley Batista, da JBS, disse apenas que o Supremo ainda vai avaliar se houve ou não manipulação para a produção de provas. Entretanto, ela ressalvou que o ex-procurador-geral da república, Rodrigo Janot, responsável por conduzir os acordos da colaboração dos empresários, é “experiente e muito prepardo.”

— A colaboração premiada tem sido um instrumento necessário para chegar ao fatos para que a corrupção não prevaleça. Eventuais excessos serão corrigidos. Nenhuma investigação ou acusação para caso o procedimento não tenha sido perfeitamente aplicado — observou a ministra, que criticou o “vazamento seletivo” das delações:

— O vazamento é um erro.

468x60 Menina Aviadora

A presidente do Supremo ainda fez uma forte defesa da democria e disse não acreditar no risco de uma intervenção militar. Em setembro, o general do Exército Antonio Hamilton Mourão indicou que a tomada do poder pelos militares era uma saída para o país, caso o Judiiciário não soluciasse o problema político. A ministra classificou com um desserviço "qualquer fala de qualquer pessoas que seja contra a Constituição."

Provocada a dar opinião sobre as declarações do ministro Gilmar Mendes e os embates com os ministros do STF, Cármem Lúcia se esquivou dizendo que Mendes tem toda uma "peculiaridade" de se manifestar.

— Não pode um ministro calar o outro. Aliás, acho que ninguém pode calar ninguém.

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS