Menu
TwitterFacebookPinterestGoogle+

Banner Zeos Travelling

fernando pimentelRelatório da Polícia Federal na Operação Acrônimo afirma que a empresa Caoa (fábrica da Hyundai no Brasil) fez pagamentos de “vantagens indevidas” a empresas de fachadas do empresário Benedito Rodrigues, o Bené, em troca da “intermediação de interesses privados” da empresa no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Os atos mencionados no relatório foram assinados por Mauro Borges, ex-ministro e atual presidente da Cemig. Ele sucedeu Fernando Pimentel (PT-MG), atual governador, que é apontado pela PF como beneficiário de recursos que passavam pelas empresas de Bené. Foi com base em registros obtidos no celular do empresário que a PF faz a relação entre as decisões e os repasses. Bené é amigo de Pimentel e foi preso na Operação.

Em fevereiro de 2014 Bené fala ao mesmo tempo com Borges e o presidente da Caoa, Antonio Maciel Neto, por meio de mensagens de texto. No dia 27 daquele mês, Bené diz a Maciel Neto que seu “amigo” está em Brasília. Na madrugada do dia 28 manda outra mensagem afirmando que tratou com o “substituto dele” sobre o tema que interessa ao presidente da montadora. Para a PF, o amigo é Pimentel e o substituto é Mauro Borges, que tinha assumido o ministério dias antes.

Leia também: Medida provisória que beneficiou montadoras em 2009 foi comprada por lobby, que depois repassou dinheiro ao filho de Lula

No dia 28, Maciel Neto manda mensagem para Bené dizendo que está mandando um “portador” ao ministério às 13h30 e pede ajuda ao empresário para que a “assinatura” ocorra ainda nesse dia. Por volta das 16 horas, Bené responde afirmando para que a entrega seja feita para Rubens Gama, que foi chefe de gabinete de Borges, ou para o próprio ministro. Quatro horas mais tarde, Maciel Neto afirma que “seu pessoal” está desde as 13h30 no escritório do ministro e pede ajuda novamente a Bené. Minutos depois, o empresário aciona diretamente o ministro:

“Opa! Se você puder botar pra andar aquele assunto q te falei ontem. Abs (sic)”, escreveu Bené para Borges.

publicidade
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

O ministro responde apenas com um “Ok”. Bené, então, envia mensagem a Maciel garantindo a assinatura. Às 22h27, o ministro manda para Bené uma mensagem: “Assinei”. O empresário agradece e informa ao presidente da montadora. Somente no dia 12 de março de 2014 há o registro de nova troca de mensagens entre Bené e Maciel Neto. O empresário pede para o presidente da montadora “dar uma checada pois não apareceu nada até o momento”. Meia hora depois, Maciel Neto responde para Bené que o assunto foi resolvido. Nesse dia, a Caoa faz um repasse de R$ 450,4 mil para a Bridge Participações, uma das empresas de fachada de Bené.

Bené e Maciel Neto trocaram mais mensagens entre março e maio de 2014. O presidente da montadora repassa informações e pede que o empresário lhe telefone para falar do “segundo projeto”. Em maio, a Caoa faz mais dois repasses a empresas de Bené totalizando R$ 469,2 mil. No mesmo mês, portaria assinada por Borges habilitou a Caoa em um programa de incentivo do ministério, o Inovar Auto.

RELATÓRIO TRAZ CONVERSAS AO TELEFONE

Outros registros no celular do empresário tratam de uma portaria do programa. Um e-mail de 4 de agosto de 2014 tem como título “portaria que Mauro precisa ver”. O resumo diz que se trata de rastreabilidade de autopeças. No mês seguinte, portaria assinada pelo ministro faz regulamentação complementar ao Inovar Auto e trata da rastreabilidade. No dia seguinte à publicação da portaria, há o registro de que Bené se registrou em uma rede com o título “Dr. Caoa”.

publicidade
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

O relatório trata ainda de outros registros de conversas de Bené que mostrariam encontros de Pimentel com Carlos Alberto de Oliveira Andrade, dono da Caoa. A PF fala também da proximidade de Bené com Pimentel. Cita registro de uma mensagem em que o empresário afirma que vai almoçar no apartamento de Fernando na “114 sul”. Carolina Oliveira, primeira-dama de Minas Gerais, morava em um apartamento nessa quadra em Brasília na época. A PF destaca que as empresas de Bené receberam ao todo R$ 2,1 milhões da Caoa para serviços de consultoria. Para os investigadores, as empresas são de fachada e não teriam qualquer condição de prestar os serviços descritos nos contratos com a montadora.

O advogado José Luiz de Oliveira Lima, que defende Bené, disse que o o processo é sigiloso e “no momento oportuno todos os esclarecimentos serão prestados”. O GLOBO também procurou os advogado José Roberto Battochio, que defende a Caoa, e Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende Pimentel, mas não houve retorno às ligações. Mauro Borges não foi localizado.

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS