Menu
TwitterFacebookPinterestGoogle+

Banner Zeos Travelling

lula ladraoNum julgamento, a verdade não tem importância. Você precisa de uma história que funcione – seja ela real ou inventada. Se você é inocente e não tem uma história boa para selar essa inocência, acabou: o júri vai achar que você é culpado. Se você é culpado e tem uma história bacana, estará livre.

Isso é a lógica da Justiça. Uma lógica deturpada, mas é a única que temos.

Vamos ao caso Lula agora. Os fatos: Lula não é o proprietário formal do sítio em Atibaia. Não há escritura em nome dele. Mas, segundo um dos proprietários formais, tudo o que tem dentro do sítio pertence a Lula. Esse dono formal chama a propriedade de “sítio da dona Marisa”. Sítio que foi severamente reformado pela OAS, de Leo Pinheiro, de quem Lula é amigo.

Aí tem o triplex. O apartamento foi quitado e reformado pela mesma OAS para a família Lula, sempre sob a supervisão do ex-presidente e de dona Marisa, filmados, fotografados e testemunhados no edifício diversas vezes (de resto, se o elevador e a cozinha de R$ 350 mil não eram para eles, para quem era? Ninguém reivindicou a posse desses bens).

De qualquer forma, Leo Pinheiro já confessou: as reformas em Atibaia e no Guarujá foram dois favores da OAS em troca do trabalho de Lula como lobista da empresa no exterior. Não há crime em ser lobista de empreiteira – Lula era um cidadão livre, podia trabalhar para quem quisesse, ainda mais no exterior, onde ele não pode usar seu poder político, só sua influência como celebridade internacional.

O problema é que a OAS tinha contratos superfaturados com a Petrobras. Era uma empresa criminosa. Para todo os efeitos, trabalhar como lobista para ela fora do país equivalia a cuidar de uma rede de postos de gasolina cujo dono é Marcola, o chefe do PCC. Não é crime gerenciar posto de gasolina. É um negócio lícito. Mas se a rede de postos for do PCC, é fria.

Tanto era fria que Lula sempre cuidou de não ter uma escritura do sítio de Atibaia em seu nome, e negou qualquer ligação com o triplex quando a história veio a público.

publicidade

Não era a melhor história. A desculpa ideal veio em outro momento, num quase ato falho do ex-presidente. Ele disse algo como: “Essas empresas (OAS, Odebrecht) têm milhares de funcionários, faturam bilhões. E todo mundo acha que é tudo dinheiro da Petrobras. Não faz sentido”.

De fato. Não é “tudo dinheiro da Petrobras”. Essas empresas ganham bilhões de forma lícita, e podem usar o dinheiro como bem entendem, inclusive pagando pelos serviços de Lula como lobista. Se ele simplesmente dissesse que o sítio e o triplex foram pagamento por serviços de lobby prestados na América Central e na África, seria uma boa história. E mais: seria até verdade – quanto à Petrobras, lhe restaria seguir dizendo que não sabia de nada, que foi um governante ingênuo, alienado da maldade reinante ao seu redor. Não há ser humano imune à simpatia de Lula. Uma história assim, temperada com o humor e a inteligência do ex-presidente, poderia dar certo. Teria chance de inocentá-lo, inclusive, por falta de provas cabais – tanto de enriquecimento ilícito como de ciência de que, sim, a Petrobras financiava metade da política brasileira via contratos superfaturados.

Mas Lula não soube fazer isso. Ao praticamente negar qualquer relação com os imóveis de Atibaia e do Guarujá, ele os converteu em provas – em evidências de que, sim, ele sabia de tudo. E de que obteve seu naco de lucro pessoal com esse tudo. Lula matou a história que poderia mantê-lo a salvo. Pelo menos tão a salvo quanto Aécio, Serra, Temer, Renan – todos sujeitos cuja presunção de inocência também não resistiria a cinco minutos de confronto com a verdade. Mas é aquela história: a verdade, infelizmente, não conta. O que vale é o caô, coisa que todos esses caras têm de sobra. Lula, para o mal das tantas coisas magníficas que ele já representou, não tem mais o dele.

Como já comentaram mais de uma vez: Lula poderia ter virado presidente da ONU, poderia ser a grande figura da filantropia internacional, ajudando a destinar dezenas de bilhões de dólares em doações e investimentos. Poderia, com seu jogo de cintura, seu magnetismo irresistível, ajudar a redistribuir riqueza e erradicar miséria em meio mundo. E talvez estivesse agora num triplex com vista para o Central Park, tomando uma cachacinha com um Nobel da Paz no colo. Tudo isso com seus pecados pessoais e políticos enterrados no mesmo túmulo onde estão os pecados de Kennedy, Mandela, Gorbachev…

Mas não. Foi virar lobista de empreiteira. Deu nisso.


publicidade

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS