Menu
TwitterFacebookPinterestGoogle+

Banner Zeos Travelling

turista organizando a viagemQuando a gente vai morar fora, a gente é de um jeito. Estamos moldados na sociedade em que vivíamos, temos manias e cacoetes que, na vida longe de casa, aos poucos vão mudando. Vão mudando porque se tais manias e cacoetes não deixarem de existir logo, nós não iremos aguentar. Saímos da lata, nos libertamos. Somos, de uma hora para outra, forçados a entender que o mundo é muito maior do que um dia a gente ousou pensar, que no mundo não existe espaço para quem pensa pequeno e que morar fora é para gente grande. Grande na coragem, grande no espírito e, acima de tudo, grande na vontade de mudar.

VOCÊ VAI MUDAR, NÓS MUDAMOS

Não é uma opção, é obrigação. De repente a gente precisa mudar, precisa abandonar velhos hábitos, precisa se abrir, precisa se apaixonar, precisa se permitir. Morar fora exige de nós uma maturidade monstra, nos obriga a aprender a perdoar os outros, a conviver com outras culturas, outras religiões, outras cores, novos sabores. Aquilo que tínhamos, não temos mais e vamos percebendo que éramos tão pequenos, que nosso pensamento era, muitas vezes, mesquinho e que mais vale comer sanduíche num país novo do que um banquete naquela vidinha medíocre de sempre.

SÓ DE PARTIR, QUEREMOS MUDAR

Não pense que mudar é difícil e se olhe. Pare por cinco minutos e permita se enxergar. Você já fez o que a maioria das pessoas não têm coragem, você já teve que resumir a sua vida em duas malas, você teve que se despedir das pessoas que ama, teve que enfrentar o novo, teve que fazer novos amigos, “amar” novas pessoas e você já percebeu que ter muita coisa não vale a pena e que ser alguém que viaja e tem um repertório de paisagens, pessoas, cheiros e sabores é o que interessa nessa vida. Você mudou ao partir, mas precisará mudar ainda mais e, caso não faça isso, vai voltar. Vai voltar porque partir é complicado, mas ficar é coisa rara e difícil. Aqui fora, os fracos não têm vez.

Menina Aviadora da Zeos TravellingMUITOS PARTEM, MAS POUCOS AGUENTAM

Eu conheço muitas pessoas que decidiram que morar fora era a melhor coisa a se fazer e foram. Foram para o Canadá, Portugal, Austrália, França, Moçambique, Reino Unido, Japão ou sei lá pra onde. Chegaram, tentaram se adaptar, mas por não aceitar que a mudança era inevitável, voltaram. Não estou falando da mudança de cidade, de estado ou de país, me refiro a mudança de comportamento. De deixar de ser quem era, de buscar ser uma nova pessoa, de se encontrar nessa nova pessoa, de saber administrar todos os milhares de conflitos que isso gera. Muita gente parte, mas é uma parcela muito pequena que aguenta o tranco da nova vida.

MUDANÇA TRAZ DESCONFORTO

Mudar é chato, mudar cansa. Só quem já teve que embalar a casa toda e enfiar tudo em um caminhão sabe o que estou dizendo. Acontece que a mudança de casa, de cidade, de estado ou de país é fichinha perto da mudança pessoal. Deixar de ser quem você era, deixar de pensar como uma pessoa que não tinha referências, permitir que a experiência de morar fora seja completa gera desconforto. Uma mudança de lugar e uma mudança de espírito consomem muita energia, são capazes de nos fazer sofrer. Encarar o novo de peito aberto pode ser o pior dos pesadelos, especialmente se você sempre buscou a zona de conforto.

LEIA TAMBÉM: POR QUE EU NÃO VOLTO MAIS PARA O BRASIL

MUDE OU VOLTE

Simples como isso: ou você muda ou você vai voltar. Vai voltar porque existe um imã na nossa zona de conforto que sempre vai nos atrair pra lá. Vai voltar porque a casa da nossa mãe pode ser o melhor dos refúgios, vai voltar porque a pessoa que a gente ama vai fazer joguinho e jurar um amor que, talvez, nem exista. Vai voltar porque é mais fácil voltar do que mudar, vai voltar porque é muito mais fácil continuar sendo quem você sempre foi, vai voltar porque morar fora exige estômago forte e cara dura. É tanta porrada, tanto soco na cara, que voltar é (e sempre será) a melhor opção.

Porém, você pode vencer tudo isso e decidir que você não é igual a maioria. Você pode se enfrentar, você pode se desafiar, você pode (e vai) mudar. Mude agora, aceite que mudar é a melhor opção, se permita crescer. Esqueça, nem que por um minuto, o que você já teve e foque no que você ainda não possui. Corra atrás, mantenha a cabeça erguida e batalhe muito, mas muito mesmo. A recompensa virá e você vai perceber que ter saído da zona de conforto foi a melhor coisa que você pode ter feito em toda a sua existência. Pode crer!

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS