Menu
TwitterFacebookPinterestGoogle+

feed-image Siga o DiviCity.com

educação

  • “A Neuropsicologia na Prática Clínica” será debatida na UNA Divinópolis

    una campus divinopolis okA Faculdade UNA campus Divinópolis promove no próximo dia 3 de outubro o evento “A Neuropsicologia na Prática Clínica”. Segundo a instituição de ensino, durante o evento haverá palestras e uma mesa redonda com profissionais ligados à área para debater o tema.

    banner portoseguro zeostravelling 300x250

    A palestra conta ainda com a presença da mestre e doutoranda em Neurociências Annelise Júlio Costa, explicando um pouco mais sobre “Transtorno do desenvolvimento: diagnosticar ou não, eis a questão”. Buscando abordar sobre “Transtornos do aspecto autista, um estudo de caso”, a UNA Divinópolis receberá a especialista e graduada em Psicologia, Andressa Moreira Antunes.

    De acordo com a organização, o evento é gratuito e as vagas serão preenchidas conforme a ordem de chegada. A Faculdade Una funciona na Rua Coronel João Notini, 151, no Centro de Divinópolis. O evento está previsto para o dia 3 de outubro, das 8h30 às 11h30.

  • 10 truques para aprender qualquer idioma

    mattew poliglotaMatthew Youlden fala nove idiomas fluentemente e entende, pelo menos, mais de doze. Nós trabalhamos no mesmo escritório em Berlim, assim, frequentemente, eu o vejo em ação utilizando suas ferramentas, trocando de idioma como um camaleão muda de cor. Na verdade, por um bom tempo, eu sequer sabia que ele era britânico.

    Quando eu contei ao Matthew a batalha que foi para eu aprender um segundo idioma, ele me deu os seguintes conselhos. Dessa forma, se você acreditar que você nunca poderá ser bilíngue, preste bem atenção nas próximas linhas!

    1. SAIBA O PORQUÊ VOCÊ ESTÁ FAZENDO ISSO

    Isso parece óbvio mas se você não tiver uma boa razão para aprender um idioma, haverá menos probalidade de você se manter motivado durante a longa caminhada. Querer impressionar falantes do inglês com o seu francês não é uma boa razão: já, querer conhecer um francês ou uma francesa no seu próprio idioma, é algo completamente diferente. Não interessa o seu motivo, uma vez que você decidiu aprender um idioma, é fundamental se manter firme em sua decisão: “Tudo bem, eu quero aprender esse idioma e, por isso, vou fazer tudo o que puder neste idioma, com este idioma e por esse idioma.”

    publicidade

    2. MERGULHE DE CABEÇA

    Então, você fez a promessa. E agora, como fica? Como continuar? Há uma maneira certa, um caminho apropriado para aprender? Matthew recomenda a abordagem máxima de 360°: não importa quais ferramentas você usar, é fundamental praticar seu novo idioma todos os dias. “Eu tenho uma tendência de querer absorver o máximo possível no início. Assim, se eu estou aprendendo algo eu mergulho no aprendizado e tento usar o que estou aprendendo sempre que posso e todos os dias. Conforme os dias passam, eu tento pensar, escrever e falar comigo mesmo neste idioma. Para mim é preciso colocar em prática aquilo que você está aprendendo - seja escrevendo um e-mail, falando sozinho, ouvindo música, ouvindo rádio. Envolver-se, mergulhar na nova cultura é extremamente importante.” Lembre-se, a melhor forma de falar um idioma é fazer com que as pessoas falem com você. Ser capaz de ter uma simples conversa com alguém é uma enorme recompensa para si mesmo. Atingir metas como essas no início, tornará mais fácil a tarefa de manter-se motivado e continuar praticando: “Eu sempre tenho em mente que o melhor caminho é adaptar o próprio jeito de pensar ao jeito de pensar daquele idioma. Obviamente, o falante do espanhol ou o falante do hebraíco ou o falante do holandês não possue somente uma forma única de pensar, mas a ideia é utilizar o idioma para criar o seu próprio mundo linguístico.”

    3. ENCONTRE UM PARCEIRO

    Matthew aprendeu vários idiomas junto com o seu irmão gêmeo Michael (eles decifraram o seu primeiro idioma estrangeiro, o grego, quando tinham apenas oito anos). Matthew e Michael ou os irmãos super-poliglotas, como eu gosto de chamá-los, ganharam seus superpoderes através de uma saudável rivalidade entre irmãos. “Nós estávamos sempre muito motivados e ainda estamos. Nós nos provocamos constantemente, praticamente empurramos um ao outro para conseguirmos chegar lá de verdade. Se ele percebe que estou conseguindo mais que ele, ele fica meio enciumado e tenta me alcançar (talvez porque ele seja meu irmão gêmeo) - e vice-versa.” Mesmo que você não tenha um irmão para viver sua aventura linguística, ter qualquer outro tipo de parceiro estimulará os dois a sempre se esforçarem um pouco mais e não deixar a bola cair: “Eu acho que essa é uma forma muito boa de aprender. Ter alguém com quem você possa falar é a ideia atrás do aprendizado de um idioma.”

    publicidade

    4. CONCENTRE-SE NAQUILO QUE É IMPORTANTE

    Se você fizer da conversação o seu objetivo desde o início, você provavelmente não ficará se perdendo nos livros didáticos. Assim, conversar com pessoas que falam esse idioma será a parte mais relevante do seu processo de aprendizado: “Você está aprendendo um idioma para ser capaz de usá-lo. Você não vai falá-lo consigo mesmo. O lado criativo de aprender um idioma, é realmente colocá-lo em uso em situações do dia a dia - seja escrevendo letras de música, conversando com pessoas ou usando-o quando você viaja para o exterior. Se bem que você não precisa, necessariamente, viajar para o exterior para usá-lo, você pode ir no restaurante grego ali na esquina e pedir em grego.”

    5. DIVIRTA-SE COM O APRENDIZADO

    Usar o seu novo idioma é, de qualquer forma, um ato criativo. Os irmãos super-poliglotas praticavam seu grego compondo e gravando músicas. Pense em algumas formas divertidas de praticar seu novo idioma: faça um programa de rádio com um amigo, desenhe histórias em quadrinhos, escreva poemas ou simplesmente fale, fale e fale o máximo que você puder. Se você não conseguir descobrir uma forma de se divertir com o seu novo idioma, é possível que você não esteja seguindo o passo número quatro.

    publicidade

    6. VIRE CRIANÇA NOVAMENTE

    Isto não quer dizer que você deva sair por aí gritando sem parar, tendo ataques de choro ou que você deva melecar seu cabelo com comida quando for a um restaurante, mas sim, que você deve tentar aprender do jeito que as crianças aprendem. A ideia de que crianças aprendem melhor do que adultos tem provado ser apenas um mito. Novas pesquisas não puderam encontrar uma ligação direta entre idade e habilidade para aprender. A chave para aprender tão rápido como as crianças deve estar simplesmente em agir, em certas situações, da mesma forma que elas agem: por exemplo, a espontaneidade em falar aquilo que lhes vem à cabeça, o jeito com que brincam com tudo, inclusive com o idioma e a inexistência de bloqueios. Crianças, normalmente, não têm medo de dizer bobagens na hora de falar. Nós aprendemos errando. No caso das crianças espera-se que elas cometam alguns erros, já no caso dos adultos, isso parece ser um tabu. Pense em como é mais fácil ouvir de uma pessoa adulta, “Eu não sei”, do que, “ Eu ainda não aprendi isso” (Eu não sei nadar, eu não sei dirigir, eu não sei falar espanhol). Ser visto errando (ou tentando acertar) é um tabu social que não atinge as crianças. Aprender um idioma admitindo que você não sabe tudo (e que isso não é um problema) é a chave para se desenvolver e ser livre. Assim, deixe pra lá suas inibições do mundo adulto!

    7. SAIA DA SUA ZONA DE CONFORTO

    Boa vontade para cometer erros significa estar preparado para se colocar em situações embaraçosas. Eu sei, isso pode dar um medo danado, mas é a única maneira de se desenvolver e progredir. Não interessa o quanto você aprende, você não vai conseguir falar um idioma sem se mostrar: fale com estrangeiros na sua língua materna, pergunte pelo caminho, peça a comida no restaurante, tente contar uma piada. Quanto mais vezes você fizer isso, maior se tornará a sua zona de conforto e ficará muito mais fácil se sair bem em novas situações: “No início, você vai encontrar dificuldade: talvez com a pronúncia, talvez com a gramática, a sintaxe, ou você não conseguirá realmente entender as palavras. Mas eu acho que o mais importante é estar sempre desenvolvendo essa sensibilidade. Todo falante nativo tem uma sensibilidade para a sua língua materna e isto é o que faz dele um falante nativo - a capacidade de fazer do idioma o seu próprio idioma.”

    publicidade

    8. OUÇA COM ATENÇÃO

    Para aprender a desenhar, você precisa primeiro aprender a olhar, a observar. Da mesma forma, você precisa primeiro aprender a escutar para depois aprender a falar. O som de qualquer idioma parece meio estranho quando você o escuta pela primeira vez. Assim, quanto mais contato você tiver com esse idioma melhor. Os sons se tornarão cada vez mais familiares e, assim, será mais fácil falá-lo corretamente:

    “ Nós somos capazes de pronunciar qualquer coisa, nós só não estamos acostumados a fazer isso. Por exemplo, o “r” rolado não existe na minha forma do inglês. Quado eu estavaaprendendo espanhol havia palavras com esse “r” duro como em perro e reunión. Para mim, a melhor forma de lidar com a situação era ouvir constantemente e visualizá-lo ou imaginar como ele deveria ser pronunciado, pois para cada som há uma parte específica da boca e da garganta que nós usamos para conseguirmos produzir aquele som.”

    9. OBSERVE AS PESSOAS FALAREM

    Idiomas diferentes exigem diferentes movimentos da sua língua, lábios e garganta. A pronúncia é muito mais um processo físico do que mental. “Uma forma de treino - e isso pode parecer bem estranho - é realmente olhar uma pessoa enquanto ela está pronunciando aquele som que você não consegue produzir e tentar imitar esse som o máximo de vezes que você puder. Confie em mim, vai parecer ser bem difícil no começo, mas você vai conseguir. Na verdade, pronúncia é algo bem fácil de ser feito corretamente; você só precisa treinar.” Se você não pode observar um falante nativo ao vivo e a cores, assistir filmes estrangeiros ou televisão pode ser um bom substituto.

    10. FALE SOZINHO

    Não há problema algum em falar sozinho quando você não tem ninguém para conversar. “Isso pode parecer muito estranho mas, na verdade, falar sozinho no idioma é uma forma excelente de praticá-lo se você não pode utilizá-lo o tempo todo.” Esse método pode manter novas frases e palavras na sua mente e ajudá-lo a melhorar sua confiança na próxima vez que você conversar com alguém.

    (Bonus) RELAXE!

    Você não chateará as pessoas se não falar bem o idioma delas. Se você começar uma conversa dizendo “Eu estou aprendendo e gostaria de praticar…”, a maioria das pessoas será paciente, encorajando você e sentido-se feliz em ajudar. Além disso, há aproximadamente um bilhão de falantes do inglês não-nativos no mundo todo, a maioria deles preferiria falar o seu próprio idioma se pudesse escolher. Tomar a iniciativa para entrar no mundo linguístico de alguém pode deixá-lo à vontade e fazer com que todos se sintam bem: “Com certeza, você pode viajar para o exterior falando seu próprio idioma mas você aproveitará muito mais se puder realmente se sentir à vontade no lugar onde está - conseguindo se comunicar, entender, interagir em todo tipo de situação que você possa imaginar.”

    MAS QUAL É O SENTIDO?

    Nós demos uma introdução em COMO começar a aprender um idioma mas talvez você ainda esteja pensando em PORQUE aprendê-lo? Matthew tem uma última observação a esse respeito: “Eu acho que cada idioma revela uma forma de ver o mundo. Se você fala um determinado idioma, você terá uma forma diferente de analisar e interpretar o mundo da do falante de um outro idioma. Até mesmo idiomas que são bem próximos como espanhol e português, que podem ser considerados mutuamente inteligíveis, são da mesma forma dois mundos diferentes - duas mentalidades diferentes. Por isso, depois de ter aprendido outros idiomas e de estar cercado por outros idiomas , eu não poderia renunciar a qualquer um deles pois eu estaria renunciando a possibilidade de ver o mundo de formas diferentes. Não somente de uma forma, mas de diferentes formas. O estilo de vida monolingual para mim, é muito triste, muito só, é uma forma mais chata de ver o mundo. Há tantas vantagens em aprender um idioma; eu realmente não consigo achar nenhuma outra razão para não fazer isso.”

    Traduzido por: Camila Nobiling


    publicidade

  • Brasil é o terceiro país mais ignorante do mundo

    quiz sobre o brasilQual a porcentagem de brasileiros com acesso à internet? As famílias mais ricas concentram quanto da renda total do país? A cada 100 pessoas no Brasil, quantas vivem na zona rural? O instituto de pesquisas britânico IPSIS MORI fez esse tipo de perguntas para brasileiros. Os palpites passaram tão longe das repostas corretas, que renderam ao Brasil o título de terceiro país mais ignorante sobre si mesmo.

    O estudo intitulado Perils of Perception (Perigos da Percepção) foi feito com 33 nações, de todos os continentes. O país que menos sabe sobre sua própria situação é o México, seguido pela Índia e sobrando para nós a medalha de bronze. Na outra ponta, o mais consciente do ranking foi a Coreia do Sul, em segundo ficou a Irlanda, com a Polônia em terceiro para fechar o pódio.

    Leia também: Brasileiros têm de entender que estudar não é chato; chato é ser burro

    ANUNCIE NO DIVICITY.COM
    DiviCity anuncie 01

    Para fazer o cálculo o estudo produziu 12 questões, e comparou as suposições da população com dados reais. Os brasileiros se mostraram especialmente ruins em falar sobre idade. O país teve a maior margem de erro, quando perguntaram a idade media de seus habitantes (o palpite foi 56 - 25 a mais do que os corretos 31 anos). Mas nós também lideramos os erros na questão "A cada 100 pessoas, quantas você acha que têm 14 anos ou menos?", a média dos chutes foi 39, a resposta correta seria 24.

    O povo brasileiro também tem menos mulheres no poder do que imagina. Enquanto a população acreditava que 31% dos políticos fossem mulheres, o número de verdade é menos que a metade disso: 14%. Outro erro de destaque foi na pergunta "Qual a porcentagem de imigrantes no seu país?". As respostas do Brasil apontavam que 25% dos habitantes vieram de fora. Erramos feio. Na verdade, só 0,3% da população é estrangeira.

    A pesquisa foi feita entre os dias 1 e 16 de outubro, conversando com cerca de 1000 brasileiros. Se você tem certeza que tiraria uma pontuação melhor do que nossos conterrâneos entrevistados, pode tentar provar isso. Os organizadores da pesquisa disponibilizaram um quiz online, para todo mundo testar os conhecimentos sobre próprio país. Você pode acessá-lo aqui - só não vale ver as respostas antes.

    DiviShopping 468x70

  • Brasileira é campeã da olimpíada mundial de engenharia nuclear

    Alice Cunha da SilvaA estudante carioca Alice Cunha da Silva, de 25 anos, venceu nesta quinta-feira a “Olimpíada Nuclear”, competição mundial de universitários promovida pela World Nuclear University, após a disputa com outros quatro finalistas, em apresentação na sede da Agência Internacional de Energia Atômica, na Áustria.

    Depois de uma longa jornada para chegar à última fase, Alice, que está se formando em engenharia nuclear pela UFRJ, levou o troféu, com uma dissertação sobre a produção de radioisótopos.

    A estudante passou por várias etapas antes de chegar à Áustria, incluindo a produção de um vídeo com o tema “Técnicas Nucleares para o Desenvolvimento Global”, a seleção do júri internacional, a busca para estar entre os cinco vídeos mais curtidos – que ela liderou, com cerca de 15 mil curtidas no Youtube – e o envio da dissertação.

     

    Para conquistar apoio na internet, ela buscou ajuda em todas as partes que conseguiu, incluindo aAbdan (Associação Brasileira para Desenvolvimento de Atividades Nucleares), professores e amigos que puderam se envolver na divulgação do vídeo.

    Quando o prazo foi encerrado, ela tinha mais do que o triplo de curtidas do que o segundo colocado. O trabalho foi voltado às aplicações médicas da engenharia nuclear, abordando os radioisótopos e ressaltando que a ciência nuclear também salva vidas.

  • Brasileiros têm de entender que estudar não é chato; chato é ser burro

    estudante cansadoA história da educação no Brasil é um acúmulo de omissões e até mesmo de ações propositais que resultaram numa situação de extrema desigualdade social, com um analfabetismo ou um analfabetismo funcional endêmicos, um vergonhoso estado geral de ignorância e de desprezo pelo conhecimento.

    Para quem analisar nossa história, fica claro que a proibição do voto aos analfabetos sempre foi intencional, pois o governante somente tinha de prestar satisfações a uma minoria privilegiada, da qual esse mesmo governante provinha. Como a maioria era analfabeta, e não tinha voz nem voto, o governante só poderia ser alijado do poder pela ínfima minoria para quem governava, e podia desprezar solenemente as necessidades da imensa maioria dos brasileiros, aumentando assim, ano a ano, século a século, o abismo social que nos define.

    A exclusão brasileira foi criada propositalmente pela reserva do acesso à educação somente a uma parcela dos brasileiros, porque só há uma riqueza a distribuir, e essa riqueza é o acesso a uma educação de qualidade.

    Felizmente, depois de três séculos de domínio e de espoliação colonial, mais quase outros dois séculos de manutenção do mesmo estado de exclusão, primeiro imperial, depois de republiquetas e/ou de ditaduras em que a reserva da educação para poucos continuava a ser usada com fator de "proteção" da elite, o Brasil vem tentando construir um estado democrático há cerca de trinta anos.

    Pela primeira vez em nossa história, o voto foi estendido a todos os brasileiros, e o direito à escolarização tornou-se universal, com a oferta de vagas no ensino fundamental a todas as nossas crianças. Agora, em pleno século 21, consolidar essa democracia afinal conquistada é um trabalho hercúleo, uma obrigação de todos os brasileiros. Sabemos que, mais que nunca, o passaporte para um futuro feliz e realizado é o acesso a uma educação de qualidade.

  • Colégio Tiradentes divulga edital para a contratação de professores para Divinópolis

    colegio tiradentesA Polícia Militar divulgou edital para designação de Professores, Especialistas em Educação Básica e Auxiliar Administrativo para a unidade do Colégio Tiradentes da PM em Divinópolis. As inscrições podem ser feitas a partir do dia 25 de novembro.

    A carga horária varia entre 24h e 30h semanais e a remuneração de R$1.400,32 (Auxiliar Administrativo) e R$2.649,65 (Professores de Educação Básica). Para se inscrever, o interessado deve se dirigir a sede do Colégio Tiradentes, localizada na Rua Mato Grosso, nº1800, bairro Afonso Pena entre 8h e 12h e 14h e 17h30. A análise de currículos dos candidatos está prevista para o período entre 02 e 05 de dezembro.

    publicidade

    No dia 07, haverá a divulgação do resultado da primeira fase. Provas práticas ou entrevistas estão marcadas para os dias 14 e 15 de dezembro, segundo o edital. A classificação por função dos candidatos será divulgada nos dias 17 e 18 de dezembro. Sobre as inscrições de alunos, a PM disse que comunicará em breve os procedimentos e datas. Confira o edital clicando aqui.

  • Colégio Tiradentes é inaugurado em Divinópolis com 150 vagas

    colegio tiradentesA 23ª unidade do Colégio Tiradentes foi inaugurada nesta segunda-feira (21), em Divinópolis. A instituição irá oferecer 150 vagas para os dois primeiros anos do ensino fundamental a filhos dos policiais e bombeiros militares da cidade. O evento reuniu várias autoridades da região, dentre eles o Comandante Geral da Polícia Militar de Minas Gerais, Cel. Marco Antônio Bardaró Bianchini, que destacou a importância da instalação do colégio.

    “O colégio representa qualidade de vida para o policial militar. O que nós queremos mostrar para os militares é que a sociedade reconhece o seu valor e através do empenho de muitas pessoas, nós conseguimos realizar essa obra para proporcionar educação de qualidade aos filhos deles”, disse.

    O comandante da 7ª Região da Polícia Militar (7ª RPM), coronel Laércio dos Reis Gomes, que irá se aposentar em fevereiro, sentiu-se orgulhoso em poder deixar um legado para os policiais militares de Divinópolis.

    publicidade

    “Se é algo positivo para a família policial militar, para os futuros alunos, para a comunidade divinopolitana, para mim é motivo de muito mais orgulho e sinto-me extremamente feliz e realizado em deixar esse legado para os futuros alunos”.

    Caso as vagas não sejam preenchidas pelos filhos dos militares, poderão ser distribuídas à população civil e o ano letivo de 2016 vai começar com quatro turmas do 1º ano e duas turmas do 2º ano do ensino fundamental.

    O colégio instalado dentro do 23º Batalhão de Polícia Militar irá atender alunos até 2019. Para os anos seguintes serão desenvolvidos projetos de crescimento, uma vez em que a meta é lecionar para alunos do Ensino Fundamental e Médio no máximo até 2027.

  • Com site instável, Inep diz não ter previsão para divulgação das notas

    lapis corMilhares de alunos que fizeram o Enem em 2015 aguardam ansiosamente pelas notas da prova, que, segundo o Ministério da Educação, serão divulgadas nesta sexta-feira (8). Ao longo da semana, o MEC fez diversas postagens nas redes sociais alertando para o dia de divulgação dos resultados.

    Procurado pela redação, o Inep garantiu que os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio sairão ainda hoje, mas não deu previsão de horário. O Inep informou também que o site do Inep não está com problema, apenas passa por atualização para divulgação das notas.


    publicidade

  • Começa hoje na UFSJ o 13° Congresso de Produção Científica e Acadêmica

    UFJS Campus DivinopolisA Universidade Federal de São João del-Rei realiza nesta segunda-feira (5) até na sexta-feira (9) o 13° Congresso de Produção Científica e Acadêmica. O evento realizado todos os anos pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação tem como tema neste ano “Conhecimento e Transformação”.

    No Campus Centro-Oeste Dona Lindu, a abertura do Congresso será feita pela Profa. Dra. Cláudia Di Lorenzo Oliveira, que apresentará a palestra “Importância da interface entre pesquisa e extensão para integração Universidade/Serviço e Comunidade”, às 8h no Auditório do CCO.

    publicidade

    Durante toda a semana serão apresentados os trabalhos científicos e de extensão realizados pelos pesquisadores e alunos da UFSJ. O Congresso de Produção Científica e Acadêmica é a oportunidade de mostrar à comunidade as pesquisas e trabalhos de extensão desenvolvidos pela UFSJ. Somente no Campus Centro-Oeste Dona Lindu mais de 80 trabalhos serão apresentados.

    A palestra de encerramento será dia 08 de outubro, às 16h, ministrada pelo Prof. Dr. Márcio Simeone Henriques, com o tema“Conhecimento e Transformação: o papel da mobilização social”.

    Toda programação das apresentações, contendo o nome dos projetos e dos pesquisadores encontra-se em anexo ou disponível na página da UFSJ no link:

    http://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/cpc/Cronograma_XXII_SIC_CCO.pdf.

  • Divinópolis

    Todas as notícias de Divinópolis e região para você ficar bem informado. Acompanhe em nosso jornal o que acontece na cidade com informações éticas, criteriosas e total isenção. Política, Economia, Educação, Saúde, Esportes, Polícia e Agenda de shows e festas para que você fique sempre bem informado sobre Divinópolis, MG.

  • Divinópolis é 5ª cidade com mais leitores em Minas, aponta pesquisa

    livraria em divinopolisDivinópolis é a quinta cidade mineira com o maior número de pessoas que afirmam gostar de ler. O município do Centro-Oeste registrou 55,08% de fãs declarados da leitura, atrás apenas de Teófilo Otoni (58,72%), Poços de Caldas (57,47%), Juiz de Fora (58,59%) e Belo Horizonte (63,14%). O levantamento foi realizado em 2015 pela Data Cultura, com recurso da Secretaria de Estado de Cultura. O resultado foi publicado em um livro cujo título alcança a metalinguagem: "O Livro em Minas Gerais", editado pela Câmara Mineira do Livro.

    De acordo com o organizador da obra, Zulmar Wernke, a cidade do Centro-Oeste possui a vantagem de ficar perto de Belo Horizonte, a 117,7 quilômetros. Outro ponto positivo é o fato de ser uma cidade universitária. "O município tem bons índices de escolaridade, destacando-se o elevado número de pessoas com graduação e pós-graduação, que é de cerca de 17% da população estimada em 228.643 habitantes", avaliou.

    Outro fator apontado como responsável pelo resultado é o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Divinópolis, que é de 0,764 e indica um crescimento da renda, da escolaridade e da longevidade da população, colocando o município na 304ª posição no ranking das cidades brasileiras e na 21ª posição das cidades de Minas. São 146 escolas públicas e particulares, sendo que 112 possuem bibliotecas. Há ainda uma biblioteca pública e uma universitária, além de cerca de oito faculdades particulares.

    Segundo a pesquisa, os divinopolitanos leem 2,53 livros ou partes de livros, em média, a cada três meses. Índice que está acima das médias nacional (1,85) e mineira (1,62). "O perfil da população explica, em parte, este resultado positivo. Há predomínio de pessoas com escolaridade acima do ensino médio e superior. Outro fator importante que propicia um bom índice de leitura na cidade refere-se a sua infraestrutura cultural, com museu histórico, teatro, salas de cinema e circulação de jornais", Wernke.

    Livrarias e sebos impulsionam mercado

  • Educação

    Todas as notícias e informações sobre a Educação em Divinópolis. Acompanhe em nosso jornal as notícias sobre as escolas, cursos, cursos profissionalizantes, Senai, Senac, faculdades e universidades como a UFJ.

  • Estudantes de escolas públicas dominam a UFMG

    UFMGO predomínio de alunos de escolas particulares nos cursos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) durou até o ano passado, já que pela primeira vez desde que o levantamento do perfil dos matriculados é divulgado os estudantes oriundos do ensino público foram os mais numerosos. Em 2016, foram 3.207 (54,51%) matrículas de alunos de escolas públicas, contra 2.461 (41,83%) dos de instituições privadas e 198 (3,37%) que frequentaram as duas modalidades de ensino.

    A diferença de 746 matriculados representa uma distância de 12,68 pontos percentuais e crescimento da presença de estudantes da rede municipal, estadual e federal da ordem de 18,6% ante o encolhimento dos que pagam para estudar de 11,5% na comparação com 2015. De acordo com o pró-reitor adjunto de graduação da UFMG, Walmir Caminhas, esse efeito reflete as políticas afirmativas, como a Lei das Cotas, que garante 50% das vagas para pessoas advindas do ensino público. “Alguns conseguiram entrar também pelo bom desempenho, superando os 50% garantidos”, afirma. Os dados são de entrevistas com os alunos e constam do relatório “Análise do perfil do aluno matriculado na UFMG : Vestibular 2012 ao Sisu 2016”, ao qual o Estado de Minas teve acesso com exclusividade.

    Essa abertura permitida pelos programas afirmativos criou oportunidades para estudantes que de outras formas não teriam condições de estudar na UFMG. É o caso da comunicóloga Jaiane Souza, de 22 anos, que mora em Sabará (Grande BH) e agora cursa o 1º período de letras. Ela ingressou na UFMG por meio das cotas raciais, depois de se formar em uma faculdade particular. “Inscrevi-me na UFMG sem muita pretensão, em 2015. Eu nem contava com a aprovação, porque a minha nota no Enem tinha sido muito baixa”, afirma.

  • Filho de costureira é aprovado em 8 universidades e vai estudar na Europa

    Mãe de estudante que fará intercâmbio em CoimbraO coração de uma mãe orgulhosa também fica apertado na despedida do filho, que está de malas prontas para realizar o sonho de cursar uma universidade na Europa. Elias Oliveira Romualdo da Silva, de 19 anos, morador de São Fidélis, no Norte Fluminense, foi aprovado em 8 universidades, sendo três estrangeiras e cinco brasileiras, sendo três públicas e duas particulares. A opção foi o curso de engenharia civil da Universidade de Coimbra. O estudante segue nesta quarta-feira (9) para Portugal.

    O estudante fez 813 pontos em matemática no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) e foi aprovado para o curso de Engenharia Civil na Universidade Federal da Bahia (UFB), Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) e para a Pontífica Universidade (PUC) de Minas Gerais e do Rio de Janeiro. Além de três universidades de Portugal: Algarve, Coimbra e Universidade da Beira do Interior.

    Com uma trajetória em escolas públicas o aluno disse não ter estudado especificamente para os vestibulares.

    "Só estudei mesmo para o ensino médio, não me preparei para o vestibular, não fiz nenhum curso específico não. No começo eu não imaginava. Se você tem um foco, se tem um objetivo, se você mirar naquela meta talvez você não consiga aquela meta, mas vai conseguir algo muito bom. E foi o que eu fiz", conta.

  • FUNEDI/UEMG não tem professores para início do ano letivo

    greve na uemg divinopolisDemora por parte da Secretária de Educação Macaé Evaristo em resolver pendências junto as instituições de ensino recém absorvidas pela Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG, gerou situação de caos nestas unidades podendo ocorrer inclusive o atraso no início do ano letivo.

    O Governo do Estado não renovou os contratos dos professores em exercício e não designou outros para a função. Em Divinópolis por exemplo, nenhum docente está trabalhando e por isso várias demandas escolares não estão sendo resolvidas. Alunos se encontram confusos e preocupados com o destino de seus cursos em andamento, já que há risco de atraso na conclusão dos mesmos.

    A situação acabou motivando entrevista coletiva na tarde da quarta-feira (13) onde a professora Janaína Rosemberg, coordenadora do curso de comunicação da instituição, explicou o que vem ocorrendo:

    Professores emitiram nota

  • Gari banca estudos e realiza sonho da filha de se tornar médica, em GO

    gari Tales PereiraTrabalhando na limpeza das ruas de Goiânia, o gari Tales Pereira sempre se esforçou ao máximo para garantir a melhor educação possível para a filha, Aline de Castro Pereira, de 26 anos. Hoje, os dois colhem juntos o fruto de tanta dedicação. A jovem está prestes de se formar médica e credita ao pai a maior parte do mérito da realização desse sonho.

    Tales teve de criar a filha sozinho, pois a mãe de Aline morreu quando ela ainda era criança, vítima de câncer no estômago. A doença motivou o desejo da jovem pela carreira médica, que pretende se especializar em gastroenteorologia.

    Durante todo o ensino médio, a jovem estudou em colégio particular, bancado pelo pai. O resultado veio com aprovação em três vestibulares: Escola Superior de Ciências da Saúde, no DF, Universidade Federal do Tocantins (UFT) e Universidade Federal de Goiás (UFG), onde fez o curso.

    publicidade

    Ela se recorda do momento em que soube da aprovação. "Ele [pai] ficou na expectativa com um radinho de pilha, à moda antiga, esperando sair a lista. Quando eu vi na internet, foi muita emoção", lembra.

    No convite para a formatura, a foto com o pai tem destaque especial. Uma dedicatória também foi feita. "Ao meu pai, agradeço profundamente por ter vivido cada dia comigo se desdobrando para ajudar a cumprir minhas obrigações e se preocupando com meu bem estar e me amparando com as mais diversas formas de amor. Você é meu maior exemplo de luta e determinação para vencer na vida", diz o texto.

    O carinho deixa o gari emocionado. "É muito emocionante. A gente fica todo derrubado. Fiz minha parte e ajudei. Agora ela vai colher os frutos. Ela é uma joia. Para chegar onde chegou, é uma guerreira", elogia.

  • Governo confirma desligamento de efetivados da Lei 100

    professores minas geraisO governo do Estado de Minas informou nesta quarta, em nota, que irá que demitir todos os servidores efetivados pela Lei Complementar nº 100/2007, conhecida como Lei 100, e que não estão em condições de se aposentar até o dia 31 de dezembro. A decisão, segundo o Estado, é em cumprimento a uma determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Com o julgamento da ADI 4876, em março de 2014, o Supremo definiu pela inconstitucionalidade da Lei 100.

    De acordo com a nota do governo, os trabalhadores efetivados pela medida e que tiverem em condições de se aposentar poderão fazê-lo pelo Regime Próprio de Previdência do Estado de Minas Gerais (Ipsemg).

    A Secretaria de Educação, consultada pela reportagem, informou que não poderia precisar o número exato de profissionais afetados pela demissão, uma vez que os trabalhadores ainda podem pedir a aposentadoria até o próximo dia 30.

    Uma fonte ligada à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) disse, no entanto, que “numa previsão otimista” serão pelo menos 40 mil servidores dispensados. Questionado sobre o número, o governo reafirmou que não tem os cálculos.

    A batalha em torno dos efetivados pela Lei 100 começou em março de 2014, quando o STF declarou inconstitucional a medida que efetivou cerca de 98 mil profissionais para atuar no Estado sem concurso. A maioria dos trabalhadores é de professores, faxineiros e vigilantes de escolas públicas.

    Leia também: 348 professores da UEMG podem ser demitidos até o fim do ano

    Entre diversas medidas adotadas à época, restaram ainda cerca de 60 mil profissionais sem vínculo com o Estado. “As secretarias de Planejamento e Gestão e da Educação nomearam somente neste ano 15 mil servidores aprovados em concurso público e continuará as publicações com o objetivo de atingir 60 mil nomeações até o fim deste mandato”, afirmou nesta quarta o governo, no comunicado.

    Segundo o Estado, os servidores demitidos ainda terão a chance de ser reintegrados aos quadros públicos a partir de janeiro de 2016. “Esses servidores poderão participar do processo de designação que ocorrerá a partir de janeiro de 2016. Nesse caso, terá prioridade o profissional que já foi aprovado em concurso e ainda não foi nomeado e, em seguida, aquele que tiver mais tempo de serviço público prestado no âmbito do sistema estadual de educação. No segundo critério, os servidores atingidos pela Lei 100 terão grande possibilidade de serem designados, já que contam com um mínimo de oito anos de trabalho contínuo na educação pública”, diz a nota.

    Adiamento

  • Governo de Minas adia reajuste a professores

    governador de minas geraisO retorno do ano letivo leva de volta 2 milhões de estudantes para a sala de aula e traz um grande problema para o governo estadual: honrar com o pagamento do reajuste do piso nacional dos professores no mesmo percentual anunciado pelo Ministério da Educação (MEC). O repasse automático está garantido pelo acordo firmado entre o governador Fernando Pimentel (PT) e a categoria em maio de 2015. A expectativa era que viesse no contracheque de fevereiro, o que não ocorreu.

    Em reunião nesta quinta com a categoria, o Estado disse que vai pagar, mas não sabe quando terá dinheiro. Apesar disso, o sindicato saiu esperançoso, alegando que, se pagar retroativo, considera que o governo estará cumprindo o prometido. Os sindicalistas, no entanto, esperam que a data para o pagamento seja anunciada em um segundo encontro, na semana que vem. Caso contrário, não descartam uma paralisação.

    Leia também: Governo de Minas desembolsa R$ 527 mil para alimentar palácios com carnes nobres

    A data. O MEC anuncia, sempre em janeiro, o reajuste anual do piso nacional dos professores. Neste ano, o aumento de 11,36% foi divulgado no dia 16. Além do aumento anual, o acordo também prevê que o Estado cumpra o piso nacional fixado para 40 horas de trabalho semanais, sem nenhum tipo de proporcionalidade para os servidores que cumprem jornada de 24 horas. Para isso, os reajustes foram divididos em três parcelas, até 2017. A primeira delas foi paga como prometido, em junho de 2015.

    A presidente do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas (Sind-UTE), Beatriz Cerqueira, garante que, se o governo não pagar, mesmo que retroativo, perderá a confiança de que os demais pontos do acordo serão respeitados. “O governo começou o ano fazendo propaganda do acordo histórico firmado com os professores, mas até agora não fez o pagamento do previsto nesse documento. Se não houver um posicionamento de quando ele irá honrar o compromisso, não tenho dúvida de que a categoria poderá decidir por uma greve”.

  • Infância não é carreira e filho não é troféu

    menino educadoNesse mundo contemporâneo, ter, ser, saber, parecem fazer parte de uma competição. Alguns pais e algumas mães acabam acreditando que é preciso que seus filhos saibam sempre mais que os filhos de outros. E isso sim seria então sinal de adequação e o mais importante: de sucesso.

    "O que uma criança deve saber aos quatro anos de idade?" Essa foi a pergunta feita por uma mãe, em um fórum de discussão sobre educação de filhos, preocupada em saber se seu filho sabia o suficiente para a sua idade.

    Segundo Alicia Bayer, em artigo publicado no Huffington Post , o que não só a entristeceu mas também a irritou foram as respostas, pois ao invés de ajudarem a diminuir a angústia dessa mãe, outras mães indicavam o que seus filhos faziam, numa clara expressão de competição para ver quem tinha o filho que sabia mais coisas com quatro anos. Só algumas poucas indicavam que cada criança possuía um ritmo próprio e que não precisava se preocupar.

    Leia também: Pessoas felizes não têm o hábito de perder o seu tempo para falar mal dos outros

    Para contrapor às listas indicadas pelas mães, em que constavam itens como: saber o nome dos planetas, escrever o nome e sobrenome, saber contar até 100, Bayer organizou uma lista bem mais interessante para que pais e mães considerem que uma criança deve saber.

    Veja alguns exemplos abaixo:

  • Jovem com síndrome de Down conclui curso e tira 10 em TCC no RS

    Gabriel Almeida Nogueira apresentando tccO estudante de teatro Gabriel Almeida Nogueira, de 27 anos, fez história na Universidade Federal de Pelotas (UFPel) ao defender o seu trabalho de conclusão de curso (TCC). Ele se tornou o primeiro aluno com síndrome de Down a graduar-se na instituição do Sul do Rio Grande do Sul. Na apresentação, realizada na quarta-feira (9), o acadêmico encenou um trecho de “Hamlet”, de William Shakespeare.

    “Ser ou não ser?”, questiona a famosa passagem da peça escrita há quatro séculos. Gabriel decidiu ser. E sua escolha foi agraciada pela banca avaliadora com a nota máxima: dez.

    O jovem defendeu o trabalho nomeado “Oficina de Teatro Down: Todos Somos Capazes de Fazer Tudo”. Após a apresentação de Hamlet, Gabriel chamou os integrantes do projeto Novos Caminhos, onde fez estágio e pesquisa, para participar de uma atividade teatral.

    Para ele, as brincadeiras e jogos que promoveu com seus alunos proporcionaram crescimento mútuo. “Ao mesmo tempo em que eles aprenderam comigo, eu aprendi muito com eles”, conta ao G1.

    Leia também: Morador de rua passa em 1º lugar em concurso público em MG

    A professora Denise Bussoletti, que orientou o aluno durante o trabalho, diz que a conquista de Gabriel é um marco para a UFPel. Segundo Denise, professores como ele evidenciam as necessidades de refletir sobre os métodos da educação, códigos e maneiras de ensinar.

    “Esse trabalho é um começo. É absolutamente inovador, não só na universidade, mas além”, observa a docente.

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS