Menu
Mano Menezes renova com o Cruzeiro até 2018

Mano Menezes renova com o Cruzeiro …

Mano Menezes assinará contrato de...

Relato de uma ex-detenta: "Diziam ao meu filho que eu trabalhava fora"

Relato de uma ex-detenta: "Diz…

Hannah Isabela Gonçalves da Rocha...

Maquiadora de Divinópolis participa de concurso da MAC

Maquiadora de Divinópolis participa…

Que as redes sociais é a melhor f...

Aumenta o número de empresas abertas em Divinópolis

Aumenta o número de empresas aberta…

O número de constituiç&ati...

Comerciante de Guarapari diz que mineiro é ‘o pior turista’

Comerciante de Guarapari diz que mi…

É comum a gente ouvir que Guarapa...

'Desafio' com vestido de Aline Riscado gera comentários machistas

'Desafio' com vestido de Aline Risc…

Um "desafio" com o vestido usado pela mo...

Três pessoas ficam feridas em acidente envolvendo caminhão em Divinópolis

Três pessoas ficam feridas em acide…

Um acidente envolvendo um carro de passe...

Horário de verão: Norte e Nordeste terão voos antecipados

Horário de verão: Norte e Nordeste …

Vai viajar de avião nos pró...

Bombeiros alertam para risco de ataques de pirambebas em lagoas e cachoeiras no Centro-Oeste de Minas durante feriado do Dia das Crianças

Bombeiros alertam para risco de ata…

Feriado prolongado com sol e calor combi...

'Se o brasileiro soubesse tudo o que sei, seria muito difícil dormir', disse a Ministra Cármen Lúcia

'Se o brasileiro soubesse tudo o qu…

A presidente do Supremo Tribunal Federal...

Prev Next
TwitterFacebookPinterestGoogle+

Banner Zeos Travelling

Justica 01Os cerca de 1,4 mil juízes e desembargadores de Minas Gerais – ativos e inativos – receberam nessa terça-feira (5) um dinheiro a mais na conta-corrente: valores que variaram de R$ 125 mil a R$ 127 mil para cada um. Os recursos referem-se a parcela de um passivo de auxílio-moradia garantido pela Justiça aos magistrados que estavam no exercício de suas atividades no período de setembro de 1994 a dezembro de 1997. Na ponta do lápis, o extra custou aos cofres públicos algo em torno de R$ 180 milhões.

A polêmica envolvendo esse retroativo remonta a 1988, quando a Câmara dos Deputados criou o auxílio- moradia para os parlamentares – R$ 3 mil atuais, em valor convertido para o real. Quatro anos depois, em 1992, uma legislação federal assegurou aos magistrados a equivalência de benefícios com deputados e senadores, o que determinava aos tribunais de todo o país o pagamento de valor semelhante aos seus membros.

Como a legislação deixou de ser cumprida entre 1994 e 1997, em setembro de 1999 a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) ajuizou ação no Supremo Tribunal Federal para garantir a parcela aos magistrados. Em fevereiro de 2000, o então ministro Nelson Jobim, relator do processo, concedeu uma liminar determinando o acréscimo da Parcela Adicional de Equivalência (PAE) aos vencimentos e o pagamento dos retroativos.

Ao mesmo tempo, o STF editou a Resolução 195/00 incluindo a parcela – mas com o nome de auxílio-moradia –, para todos os magistrados brasileiros. Em agosto de 2002, a ação foi extinta e, desde então, as associações representativas dos magistrados cobram os atrasados. Esse direito foi reconhecido em 2011 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Parcela Única

publicidade

Com a reforma da previdência, iniciada em 1998, a PAE (ou auxílio-moradia) deixou de existir e foi incorporada ao vencimento dos magistrados, já que os pagamentos passaram a ser feitos no formato de subsídio, ou seja, parcela única. Em 2003, uma segunda etapa da reforma ainda criou o teto salarial no serviço público e estabeleceu a equiparação entre Legislativo e Judiciário.

Em 2004, o pagamento de auxílio-moradia voltou à tônica no Judiciário brasileiro. O direito ao benefício foi reconhecido na Justiça e referendado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Em outubro daquele ano, os desembargadores mineiros aprovaram o pagamento do auxílio-moradia aos seus integrantes no valor de R$ 4.786,14 mensais – reduzido recentemente para R$ 4.377,73 por determinação do CNJ –, independentemente de o magistrado ter imóvel próprio na comarca onde presta serviço. Esse valor não está sujeito ao IR e contribuição previdenciária. O mesmo benefício é pago aos deputados estaduais mineiros, mas para se verem livres do IR, os parlamentares precisam apresentar um comprovante de gasto com aluguel. Procurada, a Assessoria de Imprensa do TJ não foi localizada pela reportagem.

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS