Menu
Façamos uma auto crítica

Façamos uma auto crítica

Quem me conhece sabe que sou inquieto e ...

O que aconteceu com a nova classe média: economista faz diagnóstico do antes e depois da crise econômica

O que aconteceu com a nova classe m…

‘A nova classe média est&aa...

Meu namorado não gosta de sexo. O que fazer?

Meu namorado não gosta de sexo. O q…

"Tenho vinte e seis anos, sou de Belo Ho...

Estudantes de escolas públicas dominam a UFMG

Estudantes de escolas públicas domi…

O predomínio de alunos de escolas...

Motorista de carreta que arrastou 23 carros diz que houve falha mecânica

Motorista de carreta que arrastou 2…

“Quando percebi que os freios falh...

Adélia Prado ganha o Prêmio Governo Minas Gerais de Literatura

Adélia Prado ganha o Prêmio Governo…

A poetisa Adélia Prado ganhou o P...

Minas Gerais se torna a Bélgica brasileira das cervejas artesanais

Minas Gerais se torna a Bélgica bra…

Quando alguém pensa na gastronomi...

Divinopolitano é o autor da música “Sosseguei” sucesso na voz de Jorge e Mateus

Divinopolitano é o autor da música …

A música mais ouvida neste ano na...

A triste geração que tudo idealiza e nada realiza

A triste geração que tudo idealiza …

Demorei sete anos (desde que saí ...

Votos de Galileu serão registrados como nulos pelo TSE

Votos de Galileu serão registrados …

Os votos recebidos pelo candidato &agrav...

Prev Next
TwitterFacebookPinterestGoogle+

feed-image Siga o DiviCity.com

Justica 01Os cerca de 1,4 mil juízes e desembargadores de Minas Gerais – ativos e inativos – receberam nessa terça-feira (5) um dinheiro a mais na conta-corrente: valores que variaram de R$ 125 mil a R$ 127 mil para cada um. Os recursos referem-se a parcela de um passivo de auxílio-moradia garantido pela Justiça aos magistrados que estavam no exercício de suas atividades no período de setembro de 1994 a dezembro de 1997. Na ponta do lápis, o extra custou aos cofres públicos algo em torno de R$ 180 milhões.

A polêmica envolvendo esse retroativo remonta a 1988, quando a Câmara dos Deputados criou o auxílio- moradia para os parlamentares – R$ 3 mil atuais, em valor convertido para o real. Quatro anos depois, em 1992, uma legislação federal assegurou aos magistrados a equivalência de benefícios com deputados e senadores, o que determinava aos tribunais de todo o país o pagamento de valor semelhante aos seus membros.

Como a legislação deixou de ser cumprida entre 1994 e 1997, em setembro de 1999 a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) ajuizou ação no Supremo Tribunal Federal para garantir a parcela aos magistrados. Em fevereiro de 2000, o então ministro Nelson Jobim, relator do processo, concedeu uma liminar determinando o acréscimo da Parcela Adicional de Equivalência (PAE) aos vencimentos e o pagamento dos retroativos.

Ao mesmo tempo, o STF editou a Resolução 195/00 incluindo a parcela – mas com o nome de auxílio-moradia –, para todos os magistrados brasileiros. Em agosto de 2002, a ação foi extinta e, desde então, as associações representativas dos magistrados cobram os atrasados. Esse direito foi reconhecido em 2011 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Parcela Única

publicidade

Com a reforma da previdência, iniciada em 1998, a PAE (ou auxílio-moradia) deixou de existir e foi incorporada ao vencimento dos magistrados, já que os pagamentos passaram a ser feitos no formato de subsídio, ou seja, parcela única. Em 2003, uma segunda etapa da reforma ainda criou o teto salarial no serviço público e estabeleceu a equiparação entre Legislativo e Judiciário.

Em 2004, o pagamento de auxílio-moradia voltou à tônica no Judiciário brasileiro. O direito ao benefício foi reconhecido na Justiça e referendado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Em outubro daquele ano, os desembargadores mineiros aprovaram o pagamento do auxílio-moradia aos seus integrantes no valor de R$ 4.786,14 mensais – reduzido recentemente para R$ 4.377,73 por determinação do CNJ –, independentemente de o magistrado ter imóvel próprio na comarca onde presta serviço. Esse valor não está sujeito ao IR e contribuição previdenciária. O mesmo benefício é pago aos deputados estaduais mineiros, mas para se verem livres do IR, os parlamentares precisam apresentar um comprovante de gasto com aluguel. Procurada, a Assessoria de Imprensa do TJ não foi localizada pela reportagem.

Adicionar comentário

Antes de postar o seu comentário, saiba que temos como identificar o seu computador, portanto é importante que NÃO poste comentários homofóbicos, anti racial ou que venha a denegrir a imagem de alguém. Você será responsabilizado caso isso venha a acontecer.


Código de segurança
Atualizar

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS