Menu
Façamos uma auto crítica

Façamos uma auto crítica

Quem me conhece sabe que sou inquieto e ...

O que aconteceu com a nova classe média: economista faz diagnóstico do antes e depois da crise econômica

O que aconteceu com a nova classe m…

‘A nova classe média est&aa...

Meu namorado não gosta de sexo. O que fazer?

Meu namorado não gosta de sexo. O q…

"Tenho vinte e seis anos, sou de Belo Ho...

Estudantes de escolas públicas dominam a UFMG

Estudantes de escolas públicas domi…

O predomínio de alunos de escolas...

Motorista de carreta que arrastou 23 carros diz que houve falha mecânica

Motorista de carreta que arrastou 2…

“Quando percebi que os freios falh...

Adélia Prado ganha o Prêmio Governo Minas Gerais de Literatura

Adélia Prado ganha o Prêmio Governo…

A poetisa Adélia Prado ganhou o P...

Minas Gerais se torna a Bélgica brasileira das cervejas artesanais

Minas Gerais se torna a Bélgica bra…

Quando alguém pensa na gastronomi...

Divinopolitano é o autor da música “Sosseguei” sucesso na voz de Jorge e Mateus

Divinopolitano é o autor da música …

A música mais ouvida neste ano na...

A triste geração que tudo idealiza e nada realiza

A triste geração que tudo idealiza …

Demorei sete anos (desde que saí ...

Votos de Galileu serão registrados como nulos pelo TSE

Votos de Galileu serão registrados …

Os votos recebidos pelo candidato &agrav...

Prev Next
TwitterFacebookPinterestGoogle+

feed-image Siga o DiviCity.com

palacio da liberdade mgO Governo de Minas Gerais realizou nos últimos dez dias três pregões para comprar carnes nobres, pescados e frios para os palácios Tiradentes, Mangabeiras e Liberdade. Entre as compras, cujo valor totalizou R$ 527 mil, estão produtos de alta gastronomia, como camarão GGG, lagosta, picanha argentina, bife ancho e carré de cordeiro uruguaio.

A aquisição foi justificada no edital "para atender as demandas das cozinhas dos palácios no preparo de refeições e lanches, e quando da realização de eventos oficiais". Separadas em três editais - carnes, pescados e frios -, as licitações foram realizadas entre os dias 7 e 12 deste mês através de pregões. Durante esse período, entre a semana passada e a atual, o governo participou de reuniões para definir como será o atraso no pagamento dos servidores estaduais até abril.

Leia também: Governo mineiro irá atrasar o pagamento dos servidores estaduais

São cerca de 8,8 toneladas de carnes e outra 1,5 tonelada de pescado, totalizando aproximadamente 10,5 toneladas para 2016. Se dividida pelos 365 dias deste ano, a quantidade resultaria em uma média de 28,5 quilos diariamente para "atender as demandas das cozinhas dos palácios". No edital está determinado o tipo de corte e até mesmo da marca do fornecedor desejado.

Entre as carnes, chamam a atenção os pedidos por picanha argentina, carré e lombo de cordeiro uruguaio, pato (magret: um típico corte da culinária francesa) e cortes nobres da raça Angus, como T-Bone e Prime Rib. "Para os produtos angus toda a carne é embalada a vácuo e possui o selo de certificação da Associação Brasileira de Angus", prevê a especificação do edital.

Entre outras exigências, estão as relacionadas aos cortes que devem ser disponibilizados para os palácios (inteira, pedaço, bifes, cubos, tiras, medalhão e moída) e à forma: "extra limpas, aparadas, sem cordão e espelhos e com o mínimo de 3mm gordura aceitável". O custo apenas das carnes está previsto em R$ 233 mil.

Quanto aos pescados, estão na lista camarão GGG, lagosta, lula, kani, bacalhau, além dos filés de robalo, salmão e atum. As exigências do governo nesse item foram "ausência de elemento histológico estranho ao produto (ausência de resíduos, vísceras, espinhas)", além do produto ter que apresentar cor, sabor e odor característico.

Por fim, entre os frios, foram requisitados produtos importados, como queijos Brie, de origem francesa, e Gruyère, oriundo da Suíça, além de tipos feitos com leite de búfala e ovelha.

Para concorrer aos pregões, o estabelecimento deveria estar enquadrado entre Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP), além de estar em um raio máximo de 25 km do Palácio das Mangabeiras. Todos os lotes ficaram nas mãos de duas empresas: C3 Comercial de Alimentos e Guimarães Costa Produto Alimentício.

Governo explica

publicidade

Por nota, o governo afirmou que "os valores e quantitativos são estimados porque a entrega dos produtos só ocorre de acordo com a necessidade" e ainda alegou que o processo está parado e, portanto, "o recurso não foi utilizado".

A administração estadual ainda esclareceu que "é importante informar que esses gêneros são utilizados na preparação de alimentação para autoridades, incluindo de outros poderes e até mesmo comitivas internacionais que utilizam os espaços para o trabalho diário". Ainda afirmou que conseguiu reduzir em 40% os gastos com esse tipo de despesa quando comparado 2015 com o ano anterior, quando foram desembolsados R$ 1 milhão.

Confira a nota do governo na íntegra:

Esclarecemos que os processos se referem a contratos de fornecimento para os palácios Tiradentes, da Liberdade e Mangabeiras, para todo o ano de 2016. Os valores e quantitativos são estimados porque a entrega dos produtos só ocorre de acordo com a necessidade. O processo, no entanto, não foi homologado ainda e está parado neste momento. Portanto, o recurso não foi utilizado este ano.

publicidade

Em comparação com os gastos referentes aos mesmos contratos no governo anterior, houve uma redução de 40% tomando como base 2014, no qual foram gastos R$ 1.024.724,45. Em 2015 foram utilizados R$ 609.632,31 para a compra desses gêneros alimentícios. A redução de 40% ocorreu ainda que com aumento da inflação no período.

Esses processos de compra são fruto da transparência na qual a atual gestão se pauta. Anteriormente, essas despesas chegaram a ser efetuadas mediante adiantamentos financeiros permitidos, por lei, como exceção, em casos de dificuldade de realização de processos licitatórios. Isso, no entanto, não é compreensível em governos de continuidade, que deveriam planejar os gastos.

É importante informar que esses gêneros são utilizados na preparação de alimentação para autoridades, incluindo de outros poderes e até mesmo comitivas internacionais que utilizam os espaços para o trabalho diário. Sendo assim, o gasto é para manutenção da rotina de governo.

Superintendência de Imprensa do Governo de Minas Gerais


publicidade

Adicionar comentário

Antes de postar o seu comentário, saiba que temos como identificar o seu computador, portanto é importante que NÃO poste comentários homofóbicos, anti racial ou que venha a denegrir a imagem de alguém. Você será responsabilizado caso isso venha a acontecer.


Código de segurança
Atualizar

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS