Menu
Façamos uma auto crítica

Façamos uma auto crítica

Quem me conhece sabe que sou inquieto e ...

O que aconteceu com a nova classe média: economista faz diagnóstico do antes e depois da crise econômica

O que aconteceu com a nova classe m…

‘A nova classe média est&aa...

Meu namorado não gosta de sexo. O que fazer?

Meu namorado não gosta de sexo. O q…

"Tenho vinte e seis anos, sou de Belo Ho...

Estudantes de escolas públicas dominam a UFMG

Estudantes de escolas públicas domi…

O predomínio de alunos de escolas...

Motorista de carreta que arrastou 23 carros diz que houve falha mecânica

Motorista de carreta que arrastou 2…

“Quando percebi que os freios falh...

Adélia Prado ganha o Prêmio Governo Minas Gerais de Literatura

Adélia Prado ganha o Prêmio Governo…

A poetisa Adélia Prado ganhou o P...

Minas Gerais se torna a Bélgica brasileira das cervejas artesanais

Minas Gerais se torna a Bélgica bra…

Quando alguém pensa na gastronomi...

Divinopolitano é o autor da música “Sosseguei” sucesso na voz de Jorge e Mateus

Divinopolitano é o autor da música …

A música mais ouvida neste ano na...

A triste geração que tudo idealiza e nada realiza

A triste geração que tudo idealiza …

Demorei sete anos (desde que saí ...

Votos de Galileu serão registrados como nulos pelo TSE

Votos de Galileu serão registrados …

Os votos recebidos pelo candidato &agrav...

Prev Next
TwitterFacebookPinterestGoogle+

feed-image Siga o DiviCity.com

UFMGO predomínio de alunos de escolas particulares nos cursos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) durou até o ano passado, já que pela primeira vez desde que o levantamento do perfil dos matriculados é divulgado os estudantes oriundos do ensino público foram os mais numerosos. Em 2016, foram 3.207 (54,51%) matrículas de alunos de escolas públicas, contra 2.461 (41,83%) dos de instituições privadas e 198 (3,37%) que frequentaram as duas modalidades de ensino.

A diferença de 746 matriculados representa uma distância de 12,68 pontos percentuais e crescimento da presença de estudantes da rede municipal, estadual e federal da ordem de 18,6% ante o encolhimento dos que pagam para estudar de 11,5% na comparação com 2015. De acordo com o pró-reitor adjunto de graduação da UFMG, Walmir Caminhas, esse efeito reflete as políticas afirmativas, como a Lei das Cotas, que garante 50% das vagas para pessoas advindas do ensino público. “Alguns conseguiram entrar também pelo bom desempenho, superando os 50% garantidos”, afirma. Os dados são de entrevistas com os alunos e constam do relatório “Análise do perfil do aluno matriculado na UFMG : Vestibular 2012 ao Sisu 2016”, ao qual o Estado de Minas teve acesso com exclusividade.

Essa abertura permitida pelos programas afirmativos criou oportunidades para estudantes que de outras formas não teriam condições de estudar na UFMG. É o caso da comunicóloga Jaiane Souza, de 22 anos, que mora em Sabará (Grande BH) e agora cursa o 1º período de letras. Ela ingressou na UFMG por meio das cotas raciais, depois de se formar em uma faculdade particular. “Inscrevi-me na UFMG sem muita pretensão, em 2015. Eu nem contava com a aprovação, porque a minha nota no Enem tinha sido muito baixa”, afirma.

publicidade

Ela conta que entrou na modalidade 1 do Sisu – para pessoas negras, que estudaram em escolas públicas e com renda familiar bruta por pessoa menor que 1,5 salário mínimo. “Acho muito importante a existência do sistema de aprovação por reserva de vagas a cotistas, porque, se não fosse assim, eu não teria chances de entrar na UFMG pela ampla concorrência que existia com o vestibular. A escola pública geralmente não oferece base suficiente e isso me prejudicaria”, disse a jovem.

A locomoção é a maior dificuldade da jovem, que vive na região metropolitana, e é comum a colegas que conseguiram ingressar pelas cotas e que muitas vezes vêm de periferias afastadas do Centro de BH ou de outras cidades. “Como estudo à noite, saio da aula às 22h30 e chego em casa pouco depois da meia-noite. E isso é péssimo, porque gasto muito tempo que poderia usar pra fazer um trabalho ou estudar”, disse. A jovem sonha em se mudar para a capital mineira para encurtar essas distâncias. “Melhoraria a qualidade de vida incomparavelmente, ficaria menos cansada, ajudaria na concentração e também nos estudos”, disse a universitária.

Moradia

Já Lucas Alves, de 21, saiu de Curvelo (Região Central), a cerca de 200 quilômetros da capital mineira, para se dedicar ao 4º período de odontologia da UFMG. O jovem optou por viver em uma das moradias da federal, por praticidade, economia e proximidade com a universidade. “Sempre quis passar na UFMG”, disse. Ele explica que na sua cidade não há faculdades federais, apenas particulares. “Fiz Cefet, que é uma escola pública muito boa. Foi ela que me ajudou a me preparar bem para as provas”, afirma.

Com a maior quantidade de alunos do ensino público, o perfil econômico também sofreu mudanças e 53% dos matriculados estão na categoria de renda familiar abaixo de cinco salários mínimos. “Ao abrir as portas da universidade, precisamos garantir a permanência dos alunos e isso se traduz em ampliar a assistência. Estamos abrindo mais 400 vagas na nova unidade da moradia estudantil, as bolsas também precisam ser ampliadas”, afirma o pró-reitor adjunto de graduação.

Adicionar comentário

Antes de postar o seu comentário, saiba que temos como identificar o seu computador, portanto é importante que NÃO poste comentários homofóbicos, anti racial ou que venha a denegrir a imagem de alguém. Você será responsabilizado caso isso venha a acontecer.


Código de segurança
Atualizar

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS