Menu
Chromecast x Smart TV Box (Android Box)

Chromecast x Smart TV Box (Android …

Na era das TVs com multi-funç&oti...

O casal que ganha uma fortuna para viajar pelo mundo - e matar as pessoas de inveja

O casal que ganha uma fortuna para …

Collette e Scott Stohler têm uma c...

Criminosos explodem agência bancária e atiram contra policial em Oliveira

Criminosos explodem agência bancári…

Criminosos explodiram uma agência ...

Prefeito de Divinópolis explica revisão da planta de valores no São José

Prefeito de Divinópolis explica rev…

O Prefeito de Divinópolis, Gali...

Manifestantes protestam contra reforma previdenciária em Divinópolis

Manifestantes protestam contra refo…

Manifestantes se reuniram na tarde desta...

É possível viajar com orçamento baixo? Brasileiros acreditam que sim

É possível viajar com orçamento bai…

De acordo com levantamento mundial reali...

Governo oferece cursos grátis de Excel, inglês e espanhol

Governo oferece cursos grátis de Ex…

A Escola do Trabalhador é uma pla...

Qual conceito de lar para quem tem a casa na mochila?

Qual conceito de lar para quem tem …

Viver viajando. Rodar o mundo e trabalha...

Lei obriga Prefeitura de Divinópolis a divulgar destinação de recursos recebidos através de emendas parlamentares

Lei obriga Prefeitura de Divinópoli…

Os vereadores de Divinópolis apro...

Empreendedores ganham espaço com atendimento personalizado em Divinópolis

Empreendedores ganham espaço com at…

A correria do dia a dia faz com que mu...

Prev Next
TwitterFacebookPinterestGoogle+

feed-image Siga o DiviCity.com

Portugal importa nomes brasileiros e investe em novelas binacionais

  • Escrito por Folha de SP

Casa de Silvia Pfifer em PortugalQuem liga a TV no horário nobre em Portugal e se depara com Sílvia Pfeifer, Zezé Motta e Gracindo Júnior pode demorar um tempo para perceber que não se trata de uma produção da Globo, mas sim de uma telenovela lusa.

"Ouro Verde", produzida pela TVI, emissora mais assistida de Portugal, e no ar desde janeiro, tem um enorme núcleo brasileiro, e parte da trama se passa no Brasil.

A presença de artistas brasileiros nas novelas portuguesas vem crescendo. Nomes conhecidos do grande público, mas que no Brasil andam um tanto sumidos da telinha têm passado temporadas de trabalho além-mar.

Muitos, aliás, já eram rostos conhecidos também do público lusitano que, desde 1975, pouco após o fim da ditadura salazarista, passou a acompanhar telenovelas brasileiras. Durante anos, elas lideraram a audiência local.

"Gabriela, Cravo e Canela", protagonizada por Sônia Braga, foi a primeira a ser exibida e mais de 40 anos depois ainda é muito lembrada.

Com o tempo, as produções locais passaram a figurar entre os programas mais assistidos. Diante disso, a presença dos atores brasileiros nos folhetins portugueses foi interpretada como uma espécie de movimento natural.

Além da experiência internacional, a possibilidade de ganhar em euros ajuda a convencer cada vez mais atores a cruzar o Atlântico.

BOAS FÉRIAS

Promoção de viagem internacional"O Roberto Talma [diretor] me chamou para fazer a promoção do lançamento da novela 'O Astro' em Portugal", diz a atriz Úrsula Corona.

"Meu primeiro convite de uma produção local aconteceu num período em que estava para entrar de férias. A proposta foi tão fascinante que digo que foram as melhores férias da minha vida", diz ela, que acaba de participar da novela "Ouro Verde".

A atriz, que também participou de "Malhação", "Viver a Vida" e "Totalmente Demais", fez personagens com destaque em Portugal.

Sua estreia na novela "Sol de Inverno" –no papel de uma vilã órfã que virava traficante de órgãos e depois se apaixonava por uma de suas vítimas– teve muita repercussão entre os portugueses.

"Foi sensacional, até apanhei na rua duas vezes", diverte-se Corona, que acabou de voltar ao Brasil, mas ainda se divide entre em Portugal e Londres, onde vai apresentar um programa.

Fora da televisão brasileira desde 2015, quando participou de "Totalmente Demais", Sílvia Pfeifer também acaba de voltar ao Brasil, após mais de seis meses gravando "Ouro Verde".

Ela diz ter adorado a experiência. "Foram duas semanas entre o convite e a ida do Brasil para Portugal. Foi um tempo curto, mas fui supercontente com o trabalho."

Além das saudades de casa, Pfeifer diz que o português europeu foi um desafio adicional. "O idioma, por mais que seja parecido, não é igual. E eu, como tinha que usar algumas expressões portuguesas, ficava com atenção maior. Esse fato de ter que lidar com uma língua diferente é um exercício muito bom para o ator", comenta.

Ao contrário das duas colegas, Joana Balaguer mudou-se de vez para Portugal. Uma das protagonistas de "Malhação" em 2005, quando viveu a vilã Jaqueline, ela terminou, há pouco mais de um mês, sua segunda participação em uma novela local.

Ela é hoje casada com um português, mas explica que seu primeiro convite no país aconteceu antes da união.

"Vim passar férias em Portugal em 2010 e fui convidada para um teste. Não achei que fosse rolar, mas eu fui chamada e foi ótimo", conta.

LEIA TAMBÉM: POR QUE EU NÃO VOLTO MAIS PARA O BRASIL

Após mais de três anos sem atuar, dedicando-se inteiramente ao filho Martin, 3, ela voltou à dramaturgia portuguesa para "Amor Maior", novela da emissora SIC.

"Tem muitas diferenças entre fazer novela em Portugal e no Brasil. Mas em Portugal chama a atenção a responsabilidade de todos", diz.

"Você não vê o diretor e o assistente de produção pedindo silêncio. Os atores entram e respeitam. No Brasil, muitas vezes se tem de pedir cinco ou dez vezes."

Joana Balaguer diz que pretende continuar atuando no país, embora também se dedique a um site e um canal no YouTube, ambos chamados "Cidades de Portugal".

NOVELÕES

Cheias de intrigas, bebês de pais desconhecidos e histórias de amor impossível, as novelas lusas têm um diferencial importante em relação às brasileiras: a duração.

Enquanto, por exemplo,"Avenida Brasil", sucesso da Globo em 2012, durou cerca de sete meses, a portuguesa "Anjo Selvagem" começou em 2001 e só acabou em 2003, após mais de 600 capítulos –aqui chamados de episódios.

Com menos recursos que as brasileiras –e sem algo como um Projac–, as tramas portuguesas costumam ter muitas cenas internas.

As diferenças, porém, não parecem afastar os brasileiros. Uma conhecida agente de talentos de Lisboa, que pediu para não ser identificada, diz que "pelo menos" dois nomes conhecidos no Brasil a procuram por semana para trabalhar em Portugal.

Fisiculturista de 25 anos morre por dieta com excesso de proteína

  • Escrito por Uol

fisiculturista de 25 anos morre por dieta com excesso de proteinaDois meses se passaram e apenas agora autoridades australianas descobriram a causa da morte de uma fisiculturista de apenas 25 anos. Meegan Hefford, que competia em eventos de fisiculturismo, morreu por “dieta excessiva de proteína”. 

De acordo com a rede CNN da Austrália, Meegan tinha uma deficiência de metabolizar proteínas e sua dieta com teor elevado da substância acabou levando a jovem à morte. Ela foi encontrada desacordada em seu apartamento em 19 de junho e não resistiu.

Meegan tinha uma desordem no metabolismo de proteína que impedia seu corpo de quebrar a proteína ingerida de forma adequada e fazia acumular nitrogênio em forma tóxica de amônia em seu corpo. Como sua dieta era praticamente apenas de proteína,  sua situação se agravou.

“Não havia jeito de saber que ela tinha isso, porque não há uma rotina de testes para isso”, disse Michelle White, mãe da fisiculturista morta. “Ela começou a passar mal e entrou em colapso”.

A mãe da jovem descobriu ainda que a dieta da filha era excessiva em proteínas. Depois da morte da garota, Michelle White descobriu vários potes de suplementos proteicos na cozinha da filha. “Ela estava consumindo muita proteína”, disse.

“Existem médicos para se consultar quando se procura por suplementos, mas quantas pessoas jovens fazem isso realmente”, explicou.


publicidade

Família faz campanha para pagar transferência de brasileiro que sofreu AVC na Colômbia

  • Escrito por G1

jovem sofre avc em viagem a colombiaA viagem de um jovem intercambista brasileiro na Colômbia se transformou em um drama para familiares e amigos do estudante, de Tupã (SP), após um problema de saúde. Depois de duas semanas de viagem, Lucas Assumpção, de 27 anos, teve um acidente vascular cerebral e precisou ser internado na UTI de um hospital particular de Bogotá.

A família está preocupada com a dívida acumulada por conta dos custos da internação do jovem, estimada em mais de R$ 15 mil, e criou uma campanha para cobrir os gastos hospitalares e trazer Lucas de volta. Ele está internado desde a manhã da última quinta-feira (10), quando sofreu o AVC.

O país latino-americano não possui um sistema público de saúde, como no Brasil, e a conta aumenta em cerca de R$ 3 mil por dia a mais que o jovem fica internado. De acordo com a família, o intercambista, que frequenta o curso de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), contratou um seguro de viagem, mas o plano é básico e não cobre os procedimentos médicos mais complexos.

300x250 Menino AviadorA irmã do jovem, a advogada Nayara Assumpção, ficou sabendo da situação de Lucas por uma amiga do rapaz. Desde então, os parentes encontram dificuldade em saber de atualizações do estado de saúde do estudante.

Esse impasse fez com que a família entrasse em contato com a Embaixada Brasileira na Colômbia para tentar auxiliar no retorno de Lucas para o Brasil, em algum avião com suporte médico de tratamento intensivo. Contudo, até o momento, o governo tem ajudado apenas no contato com o hospital.

A alternativa encontrada foi criar uma campanha para arrecadar dinheiro. Os amigos do estudante também estão pedindo doações pelas ruas da cidade e o apelo está até na frente da casa da família.

LEIA TAMBÉM: BRASILEIRO VIAJA PARA NOVA YORK SEM SEGURO DE SAÚDE E FAMÍLIA VIVE PESADELO

 

Com a quantia arrecadada até o momento foi possível pagar uma passagem de avião para o irmão de Lucas viajar para Bogotá, com o objetivo de acompanhar de perto o estado de saúde do estudante.

Herdeira do Credit Suisse doa R$ 500 mil a Lula após bloqueio feito por Moro

  • Escrito por Redação DiviCity.com

Roberta Luchsinger Credit Suisse"Se Luiz Inácio Lula da Silva é visto como o pai do Bolsa Família, ela quer ser a mãe do 'Bolsa Lula'".

Assim que matéria desta sexta-feira (11) do jornal Folha de S. Paulo define a atitude da herdeira da família fundadora do banco Credit Suisse, Roberta Luchsinger, que criou um movimento para apoiar financeiramente o ex-presidente Lula após o bloqueio de quase R$ 10 milhões em planos de previdência e contas bancárias por ordem do juiz Sérgio Moro. Roberta, neta do suíço Peter Paul Arnold Luchsinger, doou cerca de R$ 500 mil em dinheiro, joias e outros bens de valor ao petista.

"Com o bloqueio dos bens de Lula, Moro tenta inviabilizá-lo tanto na política quanto pessoalmente. Vou fazer uma doação para que o presidente possa usar conforme as necessidades dele", disse a herdeira.

Promoção de viagemEntre as doações ao ex-presidente, está o último cheque da mesada de seu avô, que morreu no dia 8 de julho aos 92 anos, no valor de 28 mil francos suíços (cerca de R$ 91 mil). "Foi o último cheque que recebi dele e vou repassar integralmente ao Lula. Agora, já podem dizer que ele tinha conta na Suíça, aquela que os procuradores da Lava Jato tanto procuraram e não acharam", ironiza.

Além disso, também há na lista de bens doados um relógio Rolex (R$ 100 mil) , um anel de diamantes da joalheira Emar Batalha (R$ 145 mil), uma bolsa Chanel (R$ 32 mil), um par de sandálias Christian Louboutin (R$ 3 mil) e um vestido Dolce & Gabbana (R$ 30 mil). A mala com os artigos de luxo será entregue pessoalmente nos próximos dias, em data que está sendo negociada com o ex-ministro Gilberto Carvalho.

Segundo a reportagem do jornal, Roberta pretende lançar sua candidatura a deputada estadual pelo PCdoB nas próximas eleições. Ela se filiou ao partido ao se casar em 2009 com Protógenes Queiroz - eles se divorciaram em 2015. Roberta é crítica aos cortes em programas sociais aprovados durante a gestão do presidente Michel Temer e diz apoiar a taxação sobre grandes fortunas. Ela ainda afirma não achar incompatível lutar por uma sociedade igualitária, mesmo com seu estilo de vida sofisticado.

 

Papa Francisco envia carta a casal gay após batismo dos filhos

  • Escrito por Estadão

carta do Papa Francisco a casal gayDepois de batizar os três filhos em uma igreja católica de Curitiba, no Paraná, o casal Toni Reis e David Harrad enviou um agradecimento ao Papa Francisco e recebeu uma carta de felicitações como resposta.

"O Papa Francisco lhe deseja felicidades, invocando para a sua família a abundância das graças divinas, a fim de viverem constante e fielmente a condição de cristãos", diz o documento assinado pelo Monsenhor Paolo Borgia, assessor para os Assuntos Gerais da Secretaria de Estado.

A cerimônia foi realizada em abril e, dois meses depois, o casal enviou fotos e os certificados de batismo para o Pontífice, mas não esperava um retorno.

"Nós estamos extremamente felizes. Queríamos comunicar ao sumo sacerdote essa acolhida da igreja católica que foi muito importante para nós, porque nossos filhos foram bem acolhidos e muito bem tratados pelo arcebispo e pelo padre", disse Toni Reis ao E+.

Ele conta que foram a quatro igrejas da capital paranaense, mas o batismo era negado. A cerimônia só foi possível depois que falaram com o Arcebispo Metropolitano de Curitiba, Dom José Antonio Peruzzo, que disse um sim imediato.

Reis diz que as palavras que mais chamaram a atenção deles na carta foram "felicidade" e "família". "Um documento do Estado do Vaticano reconhecendo a gente como família é muito importante. O Papa deve receber muitas cartas, mas essa foi para nós e é oficial", disse.

banner zeostravelling 2017 468x60

Os filhos deles, Alyson, de 16 anos, Jéssica, de 14, e Filipe, de 12, ficaram "super felizes e adoraram a foto autografada do Papa", enviada junto com a carta. Agora, Reis vai fazer uma cópia colorida do documento e colocar em um quadro, que será 'inaugurado' no Dia dos Pais em um almoço especial em família. A carta original ficará muito bem guardada.

"Isso tem um simbolismo muito grande emocionalmente. Nesses tempos de fundamentalismo, o Papa falar isso pra gente nos conforta. Estamos felizes e realizados", afirma Reis.

O homem que construiu um parque temático de R$ 100 milhões para sua filha

  • Escrito por BBC Brasil

Gordon Hartman e sua filha especialGordon Hartman, do Texas (EUA), passava as férias com a família quando notou que sua filha Morgan, então com 12 anos, foi conversar com algumas crianças na piscina do hotel. Ela tentou fazer amizade, mas as crianças rapidamente saíram da água. Pareceu a Hartman que aqueles meninos e meninas simplesmente não sabiam como reagir à presença de uma pessoa com deficiência - Morgan tinha o desenvolvimento cognitivo semelhante ao de uma criança de 5 anos e também uma forma de autismo.

O EPISÓDIO MARCOU O PAI

"Morgan é uma menina adorável. Quando conhece alguém, sempre sorri e oferece um abraço. Mas houve tantas ocasiões em que não pudemos levá-la aos lugares", explica.

Com sua mulher, Maggie, ele pediu a outros pais dicas de passeios para fazer com Morgan - locais onde ela pudesse se sentir confortável e onde os demais ficassem à vontade para interagir com ela.

"Percebemos que não havia um local tão inclusivo (quanto queríamos)", diz o pai.

Por isso, em 2007, Hartman decidiu construir ele mesmo um parque temático.

Vendeu sua empresa especializada em construção civil e com o dinheiro criou a Fundação Familiar Gordon Hartman, ONG voltada a pessoas com deficiências. O objetivo maior era criar "o primeiro parque temático ultra-acessível do mundo".

"Queríamos um parque onde todos pudessem fazer tudo; onde pessoas com e sem necessidades especiais pudessem brincar."

Banner da Zeos Travelling Agência de ViagensCom a consultoria de médicos, terapeutas, pais e pessoas com e sem deficiência, ele comandou a construção no local onde funcionava uma antiga pedreira, em San Antonio, Texas.

Batizado de Morgan's Wonderland (O país das maravilhas de Morgan, em tradução livre), o parque custou US$ 34 milhões (na cotação atual, o equivalente a R$ 106 milhões) e abriu as portas em 2010. Entre as atrações estão uma roda gigante acessível, um playground "de aventuras" e um minitrem. Segundo Hartman, muitos dos visitantes dizem que é a primeira vez que conseguem ir a brinquedos do tipo.

O carrossel do parque tem carruagens especialmente projetadas para acoplar cadeiras de rodas, que sobem e descem junto com os assentos ilustrados com animais.

O curioso é que, a princípio, a própria Morgan não gostou muito da atração.

"Ela estava com muito medo de ir no carrossel. Ela não entendia por que (o brinquedo) girava e por que os animais subiam e desciam", explica o pai.

Morgan só teve coragem de entrar no carrossel três anos depois.

"No começo, ela ficava ao lado; depois, ela subia em algum animal, mas sem que ligássemos (o motor). Foi um processo lento, mas hoje ela adora (o brinquedo). Superar algo de que ela tinha medo significou muito. Pequenas conquistas durante brincadeiras fazem uma grande diferença."

Desde a inauguração, o parque recebeu 1 milhão de visitantes de 67 países. A entrada é gratuita para pessoas com deficiência, e um terço dos funcionários do local tem algum tipo de necessidade especial.

"Percebi como Morgan tem sorte, por ter tantas coisas. Não queria que o dinheiro fosse uma barreira para outras pessoas (com deficiência)", explica Hartman.

"Abrimos as portas todos os anos sabendo que vamos ter prejuízo de mais de US$ 1 milhão e que precisamos recuperar esse dinheiro com campanhas de arrecadação e com parceiros."

Neste ano, o parque foi expandido com a ala Morgan's Inspiration Island ("ilha de inspiração de Morgan"), um parque aquático acessível que custou US$ 17 milhões (R$ 53 milhões).

"Havia poucos visitantes em julho (verão no hemisfério Norte) porque as cadeiras de roda causam muito calor. Então decidimos abrir um parque aquático", diz Hartman.

Partes da "ilha" têm água morna, que favorece os visitantes com problemas musculares. Há também cadeiras de rodas motorizadas e à prova d'água, além de um passeio de barco acessível.

Parque aquatico dos Hartman

Hartman conta que foi abordado recentemente por um homem dentro do parque aquático.

"Ele segurou a minha mão, apontou para seu filho, com agudas necessidades especiais, e começou a chorar. Disse que o filho nunca tinha conseguido brincar com água antes."

Considerando que três entre quatro visitantes do parque não têm deficiências, Hartman diz ter conquistado seu objetivo: "Ajudar as pessoas a perceber que, apesar de sermos diferentes em algumas maneiras, na verdade somos todos iguais. Vi uma garota em cadeira de todas com outra sem necessidades especais, e elas brincavam juntas. Foi muito legal."

Hartman recebe pedidos para a construção de mais parques semelhantes, mas não tem planos de fazê-lo. Seu foco agora é prover instalações educativas adaptadas para adolescentes com deficiência em San Antonio.

"Sei que há diferentes organizações atualmente tentando construir algo parecido ao Morgan's Wonderland em outros lugares e continuaremos a trabalhar com eles."

E Morgan continua a frequentar o parque, onde se tornou uma espécie de celebridade.

"Todos querem falar com ela, tirar fotos, e ela se sai muito bem", diz o pai.

Aos 23 anos, Morgan continua comemorando pequenas vitórias cotidianas.

"Ela fala mais e a maioria de suas deficiências físicas foram corrigidas por numerosas cirurgias. Estamos muito orgulhosos de o quanto ela avançou", agrega Hartman.

"Ela sabe que o parque temático foi batizado em sua homenagem, mas não acho que ela entende a magnitude disso e como isso transformou vidas. Não percebe como a forma como ela lidou com as coisas da vida a tornaram uma inspiração." 

Notícias de DiviCity

Tecnologia

Seções

Redação

Baladas

REDES SOCIAIS